Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Projeto DHnet
Teses, Dissertações e Monografias

Vídeo Popular: TV Memória Popular TVMP
a concepção e a pratica comunicacional de grupos vinculados aos movimentos sociais e populares em Natal RN
Josilda Maria Silva de Carvalho, Dissertação de Mestrado UNICAMP, 1995

 

Download
Vídeo Popular : TV Memória Popular TVMP
a concepção e a pratica comunicacional de grupos vinculados aos movimentos sociais e populares em Natal RN
Josilda Maria Silva de Carvalho, Dissertação de Mestrado UNICAMP, 1995
PDF 20,40 MB

 

SUMÁRIO

Introdução

PARTE I
“ALGUMAS QUESTÕES CONCEITUAIS SOBRE O VÍDEO POPULAR”

CAPÍTULO I – ACERCA DO SURGIMENTO DO VÍDEO POPULAR NO BRASIL
1.1 – O contexto da apropriação do vídeo pelos movimentos populares e sociais
1.2 – O contexto comunicacional e a formulação de uma referência de análise: a questão da participação
1.3 – Os primeiros grupos e a organização da ABVP

CAPÍTULO 2 – O POPULAR DO VÍDEO:
A IDÉIA DE PARTICIPAÇÃO ADVINDA DA PRÁTICA
2.1 – Anos 80: o vídeo é a “anti-TV”
2.2 – Anos 90: o vídeo “é” a TV

PARTE II
“A EXPERIÊNCIA DO VÍDEO POPULAR EM NATAL”

CAPÍTULO I – OS MOVIMENTOS SOCIAIS E POPULARES
1.1 – O contexto do ressurgimento na década de 80
1.2 – O movimento de bairro
1.3 – O movimento sindical
1.4 – O papel da igreja e dos partidos políticos
1.5 – O contexto dos meios de comunicação de massa

CAPÍTULO 2 – GRUPOS DE VÍDEO: ASPECTOS DA PRÁTICA E DA CONCEPÇÃO COMUNICACIONAL
2.1 – TV MEMÓRIA POPULAR
2.1.1 – No princípio eram várias idéias na cabeça e uma câmara na mão
2.1.2 – Redefinindo novas formas de atuação
2.1.3 – A formação da equipe
2.1.4 – Os valores da produção
2.1.5 – Aspectos relativos à utilização do material gravado: a organização da videoteca
2.2 – TV GARI
2.2.1 – Os primeiros tempos:
o contexto do surgimento do trabalho com vídeo
2.2.2 – Concepção e realização:
o vídeo como registro da memória do movimento sindical
2.2.3 – A utilização do material gravado
2.3 – TV GARRANCHO
2.3.1 – O contexto do surgimento
2.3.2 – Aspectos da concepção e da realização
2.3.3 – O projeto de utilização do material gravado

PARTE III
“PRODUÇÃO DE VÍDEOS, ACERVO DE MEMÓRIA:
CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE OS ACERTOS E CONTRADIÇÕES DOS GRUPOS DE VÍDEO POPULAR”

CAPÍTULO 1 – TV MEMÓRIA
CAPÍTULO 2 – TV GARI
CAPÍTULO 3 – TV GARRANCHO

CONCLUSÕES:
“OU PARA ALÉM DA DICOTOMIA ENTRE PROCESSO E PRODUTO”

APÊNDICE 1: QUADRO DE VÍDEOS PRODUZIDOS PELA TV MEMÓRIA
APÊNDICE 2: QUADRO DE TOTALIZAÇÃO DAS PRODUÇÕES DA TV MEMÓRIA

ANEXOS

BIBLIOGRAFIA

^ Subir

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar