Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Estatuto
Contra o Ato de Torturar

Torturar é negar o humano que existe em cada um de nós.

Torturar é buscar extorquir de dentro da experiência humana isso que atende pelo nome de alma.

Torturar é o verbo daqueles que perderam completamente o sentido da vida e o sabor dos frutos e os aromas das flores primaverís e os regatos onde colocamos os pés nas tardes de verão e as paisagens da alma que se abrem para o Sagrado.

Torturar é diminuir o semelhante, aumentando a dessemelhança entre o racional e o irracional, o angélico e o humano, o humano e o animal.

Torturar é exilar a voz da consciência para as paisagens gélidas da Sibéria ou para o clima tórrido do Saara africano.

Torturar é aumentar o combustível para fogueira da Inquisição, hoje representada majoritariamente pelo uso indevido e usurpador dos que tem poder de polícia.

Torturar é violentar a humanidade que, em forma de semente, luta para nascer no coração dos que amam.

Torturar é suplicar, com um fio de voz, antes passando pelos tribunais das consciências livres, a absolvição plena e total do indivíduo vítima da tortura.

Feito esses considerandos fica decretado por todos os cidadãos de boa vontade, em qualquer lugar, país, estado, cidade, bairro, rua ou casa onde residam, que:

Artigo 1o.

Quem tortura será condenado a negar o humano que existe em cada um de nós.

Artigo 2o.

Quem tortura será condenado a extorquir de dentro do espírito humano isso que atende pelo nome de alma.

Artigo 3o.

Quem tortura será condenado a esquecer todas lembranças da infância.

Artigo 4o.

Quem tortura será condenado a não mais reconhecer a voz da mãe que embala o filho nos braços.

Artigo 5o.

Quem tortura será condenado a viver eternamente nas paragens mencionadas por Dante Alighieri ao descrever em A Divimna Comédia o que é o Inferno.

Artigo 6o.

Quem tortura será condenado a esquecer a diferença entre verão e inverno, primavera e outono, noite e dia, amor e desamor, verdade e mentira, ir e vir, sonhar e ter pesadelos.

Artigo 7o.

Quem tortura será condenado a continuar fazendo o trabalho suja de remover cadáveres dos campos de Aushwitz, Treblinka e Sobibor.

Artigo 8o.

Quem tortura será condenado a viver como eterno estrangeiro em qualquer terra por onde ande, em qualquer espaço onde finque os pés.

Artigo 9o.

Quem tortura será condenado a olhar os outros sempre com um dedo lhe apontando as faltas, designando ante o sol do meio dia a culpa que lhe cabe.

Artigo 10o.

Quem tortura será condenado a perder a condição de humano.

 

Washington Araújo, especialmente para nossa Rede

Volta Início

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar