Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique




 NOTICIAS FORENSES

1.         Quando se diz que a vida de um advogado não é fácil, não existe nenhum exagero nisso. Por isso que hoje em dia a preocupação é se preparar muito cedo para os concursos públicos. Se tornar juiz ou promotor é a meta número hum de qualquer estudante de direito. Os que teimam em optar pela advocacia devem se preparar para uma vida árdua, cheia de espinhos, no meio da incompreensão, falta de conhecimento da legislação que rege a advocacia e suportar os maus modos de certos servidores. As vezes me pergunto porque tanta incompreensão em relação ao causídico e se todos nos fossemos funcionários públicos, haveria justiça?

2.        No dia 23 de março de 2000, nós dirigimos para uma das varas da capital afim de poder conversar com o juiz titular. Sendo o primeiro a chegar e tendo sido anunciado e com a promessa do Juiz de ser recebido logo. Sentado na antessala vimos desfilar colegas e colegas indo ter com o juiz, sem respeitar a ordem de chegada. Quando após quase duas horas e meio de espera, falei com a secretaria se o juiz ainda ia me receber, me comunicou a linda assessora ou secretária do juiz que este não poderia mais receber ninguém, porque tinha que se deslocar urgentemente para uma reunião e lá se foi meu dia...

3.         Acabei de me encontrar com meu amigo o brilhante advogado trabalhista e homem integro que faz o orgulho desse país. .Falamos longamente das agruras de nossa profissão e notadamente dos entraves encontrados quando se processa algum poderoso que tem influência. A conseqüência é que mesmo tendo ganho a demanda, o reclamante jamais recebe aquilo que a justiça lhe destinou. O processo simplesmente fica paralisado, não se decide nada e o cidadão a ver estrelas, se viver, algum dia quando as coisas mudarem Justiça lhe será feita certamente impressão que se tem é que esses poderosos conseguem até ofuscar o brilho da justiça.

4.       Num Domingo desses, tivemos que acompanhar um vizinha para registrar uma ocorrência de perda de aparelho celular, estava eu trabalhando no meu computador, deixei o computador ligado, pensando voltar logo, apenas tratava-se de fazer o registro de uma simples ocorrência. Quando lá chegamos a agente de plantão na Delegacia de Candelária, estava atendendo uma senhora que brigou com o companheiro. Ela levou exatas duas horas-acredita quem quiser-  p[ara tentar conciliar as partes. Quando chegou a nossa vez de ser atendido, ela jogou a caneta na mesa e afirmou que não ia nos atender, porque sua função não era essa e que estava apenas quebrando o galho de uma conhecida. Estarrecidos, a minha vizinha comentou, mas minha senhora e esse tempo de espera e você não nós diz absolutamente nada e nos deixou esperando. Respondeu ela que o assunto era da minha vizinha e que não tinha nada a ver com aquilo. Minha vizinha explodiu, foi quando apareceu o Sr. Delegado de plantão, tomando a palavra tentei argumentar dando razão a minha cliente, foi aí que a situação piorou, incrivelmente o Delegado me deu voz de prisão por “desacato à autoridade”,não conseguiu me amedrontar e tive que me defender, pois não havia motivo para discussão, depois que soube que o Delegado não tinha gostado de minha cara  e odiava advogados “metidos nesse negócio de direitos humanos”, pura imbecilidade.

5.       Cada dia que passa está realmente ficando muito difícil acompanhar um cliente a uma Delegacia de Policia da capital. Pelo menos no que me diz respeito já desisti de advogar junto  as delegacias de policia. Pois a maioria delas têm seus advogados preferidos. Já soube de situações realmente desagradáveis em que uma autoridade policial insinuava que um cidadão desistisse de seu advogado para contratar aquele da escolha da autoridade, aí a pergunta será que uma autoridade dessa não vai se beneficiar dos honorários auferidos pelo seu advogado cúmplice ou é apenas para ajudar o “amigo” ?

6.         Sempre acreditei que a advocacia é elegância, bom comportamento, ética, assim tenho como regra de conduta jamais desprezar ou subestimar o saber de algum colega no exercício da advocacia. Mas é realmente inacreditável o grande número de colegas sem princípios, que não observam as mínimas regras traçadas pelo Estatuto da advocacia. Chamo esses profissionais de “mau caráter”. Realmente não suporto pessoas dessa gênero, por mais que tento ser civilizado. Um dia desse me defrontei com um desses elementos. Fiquei chocado, pois tendo me encontrado com um jovem advogado num processo no Juizado de Trânsito, tendo destinado ao mesmo toda a minha civilidade, soube depois, talvez para se mostrar, que me chamará de “advogado pé de chinelo” e “advogado de Porta de delegacia de policia”. Acertou o covarde num primeiro instante, covarde porque quem fala dos outros na sua ausência é um tremendo covarde: realmente não existe nenhuma vergonha em ser advogado pobre, pressuponho que quando ele me qualificou de “pé de chinelo” quis dizer que sou advogado pobre. Prefiro ser advogado pobre de que mau caráter e covarde. Num segundo plano errou o covarde: pois nunca procurei uma delegacia de policia atrás de clientes.

7.         Acrescento ainda que o referido profissional, fez uma péssima defesa de seu cliente, que findou perdendo a questão. Aí termino dizendo que é melhor ser advogado pobre de que ser um profissional burro, que não lê e faz vergonha a classe. Na realidade não estou falando de um advogado estou claro me referindo a um rabula.

8.       Leio na coluna de Lavoisier Nunes De Castro, no Jornal de Natal, uma noticia referente a agressão aos princípios da advocacia diretor do Complexo Penal demissionário, Ten-cel-PM Sebastião de Souza Saraiva, baixou Portaria, em 15 de abril de 1999, ordenando que os  advogados que entrarem para manterem contato com seus clientes nestes dias( de visita) terão seus pertences revistados. Não se pode negar que a referida autoridade dispõe de um poder que vai além da Constituição Federal e assim sendo aí de nós pobres mortais...Tenho sempre dito que nosso maior problema entre outros é o desconhecimento da lei.

ADVOGADOS LADRÃOS, PICARETAS, MALANDROS... e tudo quanto é nome feio que se pode aplicar a homem indecente

9.       E por falar nos advogados ladrões, picaretas e malandros, ninguém supera a Dra. ELYANE FIALHO DE ALMEIDA, advogado inscrita na secional da OAB /RN. sob o nº. Essa profissional simplesmente após concluído um processo trabalhista, a espera apenas do pagamento de precatório na sede de nosso Tribunal Regional do trabalho. Tendo sido já depositado o numerário de R$. 139.000,00 (cento e trinta nove mil reais). A referida “advogada”, faz a cabeça dos reclamantes que passam para ela procurações públicas confeccionadas às pressas no vizinho município de São Gonçalo do Amarante, revogando as procurações anteriormente concedidas e se apropria dos honorários deferidos pelo MM. Juiz integrante da nossa alta Corte laboral...

           Não tivesse acontecido perante meus olhos, jamais acreditaria. Já ouvi falar de malandros, picaretas, caras de pau, mas nunca tinha me defrontado com um deles. Soube depois, pois aqui na província se finda sabendo tudo. “que existe uma gangue em ação para roubar honorários”. O estranho mesmo foi deferir honorários para uma causídica que nunca atuou num processo, cujo único ato foi receber os honorários. PARABÉNS LALAU, PARABÉNS LUIS ESTEVÃO... aqui vocês tem companheiros.

          Representamos contra a referida profissional junto à OAB, foi dito que referido senhora é acostumada a assim agir e nada acontece. Esperamos que a Nova Ordem faça jus ao nome e castigue profissionais indignos que mergulham nossa linda profissão na lama. Ao deixar prescrever uma representação contra a má atuação de um advogado, a OAB está sendo omissa e conivente. O advogado não pode continuar sendo associado a malandro...CHEGA DE SEM VERGONHICE.

         Tendo ingressado com uma ação de cobrança de honorários advocatícios contra os reclamantes encabeçados também por um velho sem vergonha de nome de Genival. Na audiência presidida por uma das juízas mais competentes dessa província, seria e que honra a magistratura, a Dra Deise Holder da 2ª Vara desta Comarca, Imaginem quem aparece para defender os reclamantes malandros, o escritório da “advogada” malandra. Aparece por lá um “advogado”, certamente membro da gangue e aproveitando-se do estado democrático, formula uma defesa fajuta, esperando lograr impunidade dos requeridos, não pagando o que deve. Teria ele afirmado que mesmo ganha a questão os requeridos não têm com que pagar. Pois só dispõem de bens impenhoráveis. Infelizmente nossa legislação favorece a existência de pessoas sem escrúpulos. Todavia o que nos move não é recuperar os honorários, mas sim denunciar, para prevenir pessoas honestas ao lidar com tais profissionais...

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar