O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Textos

Nas gavetas da memória – Ubirajara Macedo
Tribuna do Norte, 18.07.2014

Yuno Silva
repórter

Fugindo da cataclismática seca de 1932, Joaquina muda-se ainda adolescente com a família de Apodi para Macaíba em busca de sobrevivência. Na capital potiguar é arrebatada por uma vida de prazeres mundanos e dinheiro ‘fácil’ como pupila da famosa cafetina Maria Boa, até cair nas graças do comandante de um navio cargueiro espanhol que transportava sal para a Europa. No Velho Mundo vê sua vida transformada após a morte do pai. Esse é o cenário da história imaginada há mais de 20 anos pelo jornalista veterano Ubirajara Macedo, e que só agora ganha forma nas páginas do livro “A saga de Joaquina – do Ateísmo ao Cristianismo”. A ficção, que o autor faz questão de não chamar de romance, será lançada neste próximo sábado (19), às 17h, no salão de festas do Edifício Morada Riomar, onde mora, na Av. Deodoro, Cidade Alta.

Na ocasião, o Centro de Direito Humanos e Memória Popular apresenta DVD-Rom sobre Macedo, que figurou na lista dos presos políticos durante o período da ditadura Militar aqui no RN.

A saga de Joaquina ficou latente por uma década, bem guardada na memória do jornalista, até ser retomada meio que por acaso durante viagem internacional do autor no final dos anos 1990. “Lembrei de Joaquina durante um cruzeiro pela Grécia, na verdade foi meu colega de viagem (o médico) Paulo Frassinete que conhecia a história e, olhando pro Mar Egeu, disse que as águas tinham o azul dos olhos da personagem”, recorda.

Quase 15 anos depois, Ubirajara decidiu passar tudo para o papel, e como não consegue mais digitar, ditou todo o livro para a enteada Virna Damasceno e a cuidadora Érica Glauciane Jerônimo, que trabalha com Ubirajara há seis anos. “Muita gente me ajudou a fazer esse livro”, comemora, “ficaram impressionadas (Virna e Érica) com a riqueza dos detalhes da história. Só agora no fim da vida me lembrei de escrever esse livro. Meus amigos sempre disseram que Joaquina merecia um livro”.

O processo de feitura da obra levou cerca de quatro meses. A publicação sai com chancela da Sebo Vermelho Edições e o preço de capa é R$ 25.

O livro é pura ficção, mas os lugares por onde a protagonista andou e alguns nomes com quem ela topou ao longo de sua trajetória são verdadeiros, como a própria Maria Boa e o professor Antônio Corcino de Macedo, pai de Ubirajara, que lecionava no distrito de Jundiaí e, no livro, ensina o be-a-bá à Joaquina. Apesar de ter conhecido uma Joaquina em Macaíba há muito tempo, o autor garante que não há nenhuma relação. “Peguei só o nome emprestado. A história surgiu sem referências externas, ninguém me disse nada”, garantiu.

Ele diz não ter outras histórias “na cabeça”, e se “tivesse idade” escreveria sobre suas viagens ao lado da esposa Dona Lourdinha, com quem está casado há 14 anos – os lugares citados como mais inspiradores foram Chile, Cuba, Paris, Budapeste (Hungria) e a Turquia. Durante a entrevista, inclusive, reclamou do estado de saúde: Ubirajara Macedo está se recuperando da quarta pneumonia seguida. “Estou em um momento ruim, meio doente”, avisou. Nascido em Macaíba no dia 1º de março de 1920, faz questão de dizer que tem quase 94 anos e meio.

“Não sou comunista”
Esse é o terceiro livro de Ubirajara Macedo. O primeiro, “E lá fora se falava em liberdade”, foi escrito entre 1964 e 65, durante os 11 meses que o jornalista ficou detido pelo regime Militar sob acusação de subversão comunismo. “Sou católico apostólico romano, sobrinho de Dom Joaquim de Almeida, o primeiro bispo de Natal, não tinha como ser comunista”. Ele trabalhou no jornal do ex-prefeito Djalma Maranhão, onde matinha uma coluna que lançava críticas ferinas onde tratava os norte-americanos como imperialistas. “E são mesmo! Sou de esquerda, permaneço de esquerda, mas não sou comunista”, avisa.

Na época ele ficou preso com o médico Vulpiano Cavalcanti (1911-1988), esse sim Comunista com C maiúsculo, e o educador Moacyr de Góes (1930-2009).

No segundo título, publicado em 2008, Macedo conta a história do Clambom (Clube dos Amantes da Boa Música), grupo que ajudou a fundar em 1992 com o radialista Luiz Cordeiro na casa da cantora Glorinha Oliveira. Entre o segundo e este terceiro livro, Nelson Patriota lançou a biografia “No outono da memória – O jornalista Ubirajara Macedo conta a história da sua vida” (2009).

Ubirajara Macedo morou por cinco anos em São Paulo, após ser liberado pelos Militares. Na capital paulista trabalhou como secretário da presidência dos Correios. Como jornalista atuou em rádios, na Folha de São Paulo e na Editora Abril. Em Natal, trabalhou algum tempo nesta TRIBUNA DO NORTE e fincou bandeira no extinto Diário de Natal. Fez parte da primeira gestão do Sindicato dos Jornalistas, como vice na chapa de Arlindo Freire.

Coleção
Roberto Monte, um dos coordenadores do Centro de Direito Humanos e Memória Popular, que vem levantando informações sobre os chamados Anos de Chumbo, vem trabalhando na coleção Memória das Lutas Populares do RN. Monte contou que suas pesquisas levantaram 400 nomes de potiguares reprimidos no período da ditadura Militar, e que 17 deles ganharam destaque na coleção, como Ubirajara Macedo, Glênio Sá, Juliano Siqueira, Mery Medeiros e Dermi Azevedo. “Temos depoimentos gravados desde 1989, muito material inédito, e este DVD-Rom (áudio, vídeo, fotos e textos) traz documentos importantes da vida de cada um desses personagens”. O depoimento de Macedo foi gravado há quatro anos.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais