O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN - Rio Grande do Norte
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos
Acesse o Comitê RN no Facebook

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Reprimidos Ditadura Militar no RN | Repressores Ditadura Militar no RN

Ditadura Militar de 1964 no Rio Grande do Norte
Glênio Fernandes de Sá
Repressão no RN

Textos

Guerrilha do Araguaia: 40 anos depois, uma tentativa de encontro com a História
23 de Abril de 2012

Jana Sá*

Durante mais de 500 anos, a história oficial brasileira procurou ofuscar as lutas populares. A sociedade via, assim, a sua própria história com os olhos das classes dominantes. Aqueles que ousavam desafiar o estado atual dos acontecimentos, ou seja, os subversores de cada época, se não venciam, passavam à posteridade como bandidos, enquanto a auréola de herói contornava a fronte dos defensores da lei e da ordem.

Uma tentativa de apagar os vestígios que as classes populares e os opositores vão deixando ao longo de suas experiências de resistência e de luta, num esforço contínuo de exclusão da atuação desses sujeitos na história.

Contudo, apesar da disritmia entre a informação dos acontecimentos e a compreensão histórica do processo, há o momento em que se quebra o monopólio do discurso oficial, e a opinião pública passa a conhecer e discutir os fatos revelados. Dá-se lugar à História que não é escrita apenas para a justificação e a glorificação das classes dominantes, a ótica das classes populares. Procura-se desvendar o passado e contribuir para libertação e não servidão dos homens.

Tal é o caso da inclusão da Guerrilha do Araguaia nos currículos escolares de História. A proposta encaminhada esta semana ao Conselho Nacional de Educação (CNE) da Câmara dos Deputados pretende manter viva a memória de parte de uma história em que as classes populares não foram meras expectadoras dos fatos, mas produtoras dos acontecimentos. Manter viva a memória dos horrores da perseguição política, da tortura, das mortes, dos desaparecimentos, pois é este o primeiro passo para garantir que tais fatos não mais ocorram.

Movimento armado de contestação política ao Regime Militar, concebido, planejado, organizado e dirigido pelo Partido Comunista do Brasil, entre os anos de 1966 e 1975, no sul do Pará, a Guerrilha do Araguaia completou, no último dia 12, 40 anos, e é hoje evocada sempre que se trata de passar a limpo a história do país.

A inserção da guerrilha na História visa demonstrar que muitos, como o meu pai, o norte-rio-grandense Glênio Sá, insurgiram-se contra a intolerância política que se abateu sobre nosso país e pagaram um alto preço para que pudéssemos hoje desfrutar das liberdades políticas e individuais, embora a luta por democracia e liberdade seja uma jornada infinita.

A proposta que está em discussão na Câmara dos Deputados representa, assim, uma tentativa de não permitir que a destruição da história de homens e mulheres que se destacaram ao longo de suas trajetórias de vida se complete.

Buscar no passado o que nele foi esquecido e abafado, ou seja, as personagens e os episódios que foram sufocados e colocados nas notas de rodapé da história oficial é indispensável para reconstrução da memória histórica e uma dívida do Estado com a Sociedade.

*Jana Sá é jornalista e filha do guerrilheiro do Araguaia Glênio Sá

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais