O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN - Rio Grande do Norte
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos
Acesse o Comitê RN no Facebook

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Reprimidos Ditadura Militar no RN | Repressores Ditadura Militar no RN

Ditadura Militar de 1964 no Rio Grande do Norte
Glênio Fernandes de Sá
Repressão no RN

Textos

Alírio e Glênio: Um grande legado!
Canindé de França, 26.06.2010

É assim que prefiro relembrar a memória e a trajetória de lutas de duas das mais ilustres personalidades da luta popular e da história de construção do Partido Comunista do Brasil-PCdoB/RN, me refiro aos camaradas Alírio Guerra de Macedo e Glênio Fernandes Sá.


Em terras potiguares

Se tivéssemos de identificá-los pelos traços da geografia logo diríamos, são filhos do Brasil, de uma região importante e resistente, como foram as suas vidas. Glênio Sá, de Caraúbas no Médio Oeste potiguar, Alírio Guerra, de Curimatá no Sudoeste do Piauí, se localizaram na caminhada da vida e da luta pela bússula da política revolucionária do PCdoB, em tempos de autoritarismo e de cerceamento das liberdades democráticas.

Na mesma época enfrentaram de formas diferentes e em lugares distintos o regime dos generais, enfrentaram o combate, mesmo que desigual, mas não fugiram à luta, todo empenho, o melhor de suas energias físicas e intelectuais foram direcionadas para restaurar a democracia solapada e salvaguardar o Partido enquanto instrumento de luta política da emancipação do povo brasileiro e da construção de uma nova sociedade-Socialista.


60 e 70, anos de muitas resistências

Meados dos anos 60, ainda jovens, muitos jovens, presenciaram a inquietação do Partido com os horrores da ditadura militar e dos golpistas que buscavam a todo custo sufocar qualquer manifestação de resistência ao arbítrio promovido pelo regime de excessão.

A resistência era o único caminho, as formas de apresentá-la foram diversas, o cenário da resistência tanto ocorreu no campo como nas cidades. A democracia estava comprometida e à vida em risco permanente.


Guerrilha e Patriotismo

Cumprindo tarefas diferentes, mas com o mesmo objetivo ajudaram com o ímpeto peculiar a juventude a edificar as barreiras da resistência, tanto em solo urbano, com em terras rurais. Conscientemente abdicaram do conforto e da segurança do seio familiar e se lançaram a uma jornada de lutas e riscos permanentes, o ambiente era sombrio e a luta desafiadora, podendo até dizer profundamente desproporcional no que pertine a contingentes e instrumentos utilizados nas batalhadas do cotidiano.

A Guerrilha do Araguaia foi um demonstrativo de despreendimento e de patriotismo dos militantes e dirigentes do PCdoB, que sem outra alternativa ou meios de lutar pela democracia e liberdade se socorreram da luta armada para dar vida a resistência popular e não permitir que a nossa pátria vilipendiada sucumbisse as trevas da ditadura.

No Araguaia Glênio esteve presente e participando diretamente, inclusive compondo um destacamento militar na condição de guerrilheiro. Lutou, foi preso, resistiu as torturas e sobreviveu as humilhações impostas pelos algozes e torturadores. Foi um dos poucos sobreviventes da luta armada nas selvas do araguaia.

Diferente não foi a luta e a conduta de seu camarada Alírio Guerra, que dentre outras privações advindas da resistência contra a ditadura, também passou a viver na clandestinidade, tendo como consequência o seu banimento do curso de medicina da Universidade.

Como os conhecia, tenho plena certeza da dor que sentiram ao saber da derrota da guerrilha e do asssassinato/execução de boa parte de seus camaradas que resistiram com bravura. Dor aumentada com a morte do líder estudantil Honestino Guimarães, da União Nacional dos Estudantes-UNE.

Mesmo na adversidade, continuaram a luta em defesa dos ideais que professavam, acreditando na possibilidade de reencontrar os caminhos que reconduzisse o Brasil ao leito da democracia e do Estado Democrático de Direito.


Regime em decadência

Com o resultado das eleições parlamentares de 1974, a oposição saiu fortalecida, elegendo uma forte bancada, principalmente ao senado federal, mas mesmo assim a ditadura já apresentava sinais de fraqueza, sem no entanto abrir mão do regime que comandava. Permanecia no controle do governo e do poder político, apoiado em forte aparato militar e repressivo.

Foi neste ambiente de decadência da ditadura e ainda de forte repressão, que em dezembro de 1976, Alírio e Glênio tomaram conhecimento da Chacina da Lapa em São Paulo/SP, em que foram vítimas, importantes dirigentes do Comitê Central do Partido, foram violentamente assassinados Pedro Pomar e Ângelo Arroio, que havia sido o Comandante Militar da Guerrilha.

Forjados neste ambiente de luta e resistência, continuaram sua militância, novos tempos se apresentavam, a luta em defesa da anistia era fato concreto, resultado de uma paciente e firme construção, organizada por diversos segmentos sociais da população, mas sustentada politicamente também pela força e convicção do Partido Comunista em suas diversas frentes de luta.


Lágrimas e sorrisos

Desde a instauração da ditadura militar em 1964, o sorriso era escasso e o semblante contraído, as lágrimas que caíram em abundância com a derrota da guerrilha e a chacina da lapa, regaram o campo da luta política que trazia de volta ao Brasil, homens e mulheres covardemente expatriados, em forma de exílio patrocinado pela ditadura.

O retorno de inúmeros patriotas, como João Amazonas, Miguel Arraes, Leonel Brizola e a legendária figura de Luiz Carlos Prestes, com eles chegava também a esperança da conquista da liberdade e da democracia. Como em outros milhares de brasileiros, o sorriso estava também estampado nos rostos de Glênio e Alírio, enfim, a esperança começava a vencer o medo.


Homens do século passado, de idéias contemporâneas

Final dos anos 70 e início dos anos 80, as suas vidas e militâncias se concentraram em terras potiguares, dedicando-se integralmente a reestruturação política e organizativa do Partido Comunista do Brasil, no Rio Grande do Norte.

Com suas contribuições em momentos diversos, foram participes do acúmulo de forças que pôs fim a ditadura, foram firmes no movimento das Diretas-Já, e contribuíram na mobilização da vitória de Tancredo e Sarney no colégio eleitoral. Estava definitivamente derrotada a ditadura militar.

Instaurava-se um novo momento, o da legalidade do Partido, que havia tido o registro cancelado e os mandatos parlamentares cassados há quase 40 anos, de 1947 a 1985. Agora o desafio era de outra natureza, estruturar o PCdoB e dotá-lo de condições políticas para as novas batalhas, inclusive as eleitorais, terreno novo e ao mesmo tempo desconhecido para a militância comunista.


Uma década vitoriosa

A década de 80 foi muito importante, marca o fim da ditadura em 1985 e o início do processo democrático, em quase 4 anos tivemos três disputas eleitorais, 1986, 1988 e 1989, sendo esta última a primeira eleição direta para presidente da república.

Glênio e Alírio conduziram o Partido nesta nova realidade, sendo os principais dirigentes políticos em nosso Estado. Glênio foi candidato a Dep. Estadual em 1986 e Alírio candidatou-se a vereador em Natal nas eleições de 1988. Nestas disputas eleitorais o Partido foi acumulando experiências e aumentando a sua influência.


Novas disputas

O primeiro semestre de 1990, foi marcadamente de muita efervescência na conjuntura política nacional, estávamos nos primeiros meses do governo do presidente Collor de Mello, muitas movimentações tendo em vista a disputa eleitoral que se avizinhava para Governo, Senado, Câmara e Assembléia Legislativa.

A marca da nova aliança eleitoral era politicamante de esquerda, composta pelo PCdoB e PT, tendo como candidato a governador Salomão Gurgel/PT e ao senado Glênio Sá/PCdoB. Nesta eleição Alírio Guerra concorria a uma vaga na Assembléia Legislativa.

Na noite de 25 de julho, em pleno período da festa de Santana em Caicó, realizou-se um ato político na Câmara de vereadores com a presença da chapa majoritária, de militantes, candidatos e apoiadores da coligação da Frente Popular.

Após o ato ocorreu um jantar de confraternização dos candidatos com os participantes do evento no bairro Barra Nova. Coube a mim levar Glênio até o terminal rodoviário, pois teria que viajar logo em seguida, conversamos sobre alguns assuntos da campanha, também recebi algumas orientações partidárias para o processo eleitoral em curso. No dia seguinte estava previsto uma atividade de campanha em Currais Novos/RN, e logo seguiriam para Natal.


Mês de festa, dias de tristeza

Já no final da tarde de 26 de julho, duvidei em acreditar na notícia que acabara de receber, dizendo que um acidente automobilístico havia vitimado alguns membros da coligação que estavam em campanha no município serrano de Jaçanã, na região do Traíri.

A confirmação dava conta da morte de Alíro Guerra e Glênio Sá, naquele momento era como que o mundo estivesse se afundando, era assim inexplicável, não tinha como acreditar, mas era a pura realidade. Uma dor incontida, nunca em época alguma havia sentido tamanha e pesarosa sensação. Ali estava até então, as minhas maiores referências partidárias e de convivência muito aproximada.


20 anos de afirmação e crescimento

Ao completar 20 anos da morte de Alírio e Glênio, não é forçoso reconhecer que apesar da grande perda dos dois principais dirigentes do Partido no RN, conseguimos, mesmo com dificuldades estruturar do ponto de vista político e organizativo o PCdoB em todas as regiões do estado e em mais de dois terços dos municípios potiguares.

De modo que o legado de Alírio e Glênio permanecem vivos e se desenvolvem nos dias atuais, com outros métodos e novas formas, aplicando o conteúdo político dos tempos atuais, sem no entanto, se afastar dos princípios e dos compromissos históricos e ideológicos de outrora.

Homens de pensamento e ação modernizante

Não tenho dúvidas de que nos dias atuais estavam comprometidos e abraçados com o ideário da construção de Um Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento para o Brasil. Mobilizados em torno do nosso projeto político e eleitoral, buscando afirmar ainda mais a identidade e fisionomia do Partido Comunista do Brasil, em âmbito nacional, e em particular em nosso estado.

Creio que estariam firmes, pacientes e com a experiência construída no cotidiano das lutas, sabendo enfrentar os desafios e a nova realidade que a luta institucional e as disputas eleitorais trouxeram para a vida partidária.

Um sonho que vai se realizando

A realidade de hoje, é fruto de um longo período de construção, de enfrentamento de concepções e práticas que se manifestam no seio do Partido, principalmente neste momento de ampliação e alargamento de suas fileiras e de sua crescente influência na sociedade.

Somente um Partido ousado, corajoso em suas decisões políticas é capaz de se tornar vencedor, sem abdicar de seus compromissos históricos. Apoiamos a eleição da candidata de Lula, a ex-ministra Dilma Roussef/PT, que em sua plataforma expressa profundos compromissos com o Brasil e o povo brasileiro.

No Rio Grande do Norte, a nossa opção foi pela composição com o PDT, tendo Carlos Eduardo Alves, ex-prefeito de Natal como candidato a governador e Sávio Racrat disputando uma vaga ao senado pela legenda Comunista 65.


Maturidade e crescimento

O Partido de Alírio e Glênio, em disputas eleitorais pela primeira vez apresenta uma nominata robusta, são 09 candidatos a deputado estadual, 04 a deputado federal, 01 ao senado e 01 suplente. São ao todo 15 camaradas disputando a eleição pelo Partido com a legenda 65. É um fato inovador para os comunistas do Rio Grande do Norte.

Portanto, o sonho e as ações realizadas por Glênio e Alírio precisam ser continuadas, considero que a melhor forma de relembrá-los e homenageá-los é tornar os seus ideais ainda e cada vez mais vivos nos dias de hoje, tornando o PCdoB, mais forte, mais unido, coeso em torno dos seus objetivos imediatos e futuros e fundamentalmente identificados com os trabalhadores, o povo brasileiro e com os ideais de uma pátria livre, próspera, soberana e Socialista.

Um forte e caloroso abraço aos familiares dos estimados camaradas e todos que honram sua trajetória cotidianamente.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais