O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

 

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Floriano Bezerra de Araújo

Minhas tamataranas: Linhas amarelas
Memórias de Floriano Bezerra de Araújo, Sebo Vermelho

"Minhas Tamataranas: Linhas Amarelas" O livro-testemunho de Floriano Bezerra de Araújo (Washington Araújo) Há muito tempo não lia um livro de memórias tão saboroso como esse livro de Floriano Bezerra de Araújo. É que ele conseguiu dar forma, visão, densidade, voz e memória ao livro. E em cada página mergulhamos em um mundo mágico que se perdeu para sempre: mundo em que não existiam computadores, nem televisão; mundo em que nem sempre a luz era elétrica; mundo em que se dedicava à causa da justiça de corpo e alma, de fio a pavio, e se personificava com ardor a angústia dos eternos condenados da Terra. Refiro-me aos pobres, aos anônimos, aos que não têm a quem recorrer, aos enjeitados do poder mundano. As linhas amarelas das tamataranas de Floriano, além de amarelo-luz, são fosforecentes e brilham de dia e de noite, porque elas sinalizam o dia em que a justiça cairá sobre o mundo com a força de tsunami e varrerá a podridão da condição humana para outros mundos, outros planetas, outras galáxias. Nesse dia, elevada será a condição humana. E ninguém olhará outro homem de cima para baixo salvo se for para ajudá-lo a levantar. Em cada linha da memória prodigiosa de Floriano somos levados - como crianças são levadas pela mão – para redescobrir um mundo de vivências humanas: o peixe frito à margem dos rios, a caminhada sem trégua pelos sertões que levam um filho a uma mãe, o sabor de irmandadde e cumplicidade interligando vidas e destinos, a descoberta do sexo e os prazeres do circo que chega barulhento à empoeirada cidade, as amizades graníticas que carregam nos olhos imagens enternecedoras. É assim este livro. Mais que memória, é eloqüente testemunho de que certos homens foram soprados de barro de primeiríssima qualidade. O livro transpira dignidade e valores humanos. Dignidade de quem nunca se curvou a outrem salvo à voz de sua mais íntima consciência de homem, de ser talhado para nadar contra as correntes, modelado para servir como tocha luminosa em meio a tempos altamente incertos. São os valores humanos de sempre: amor, justiça, beleza. E, tem algo mais, um sabor diferenciado que se percebe desde suas primeiras linhas: Floriano mergulha a pena no tinteiro da verdade e de lá retira emoções em penca, sentimentos flamejantes, verdades esquecidas, lealdades nunca quebrantadas, laços indissolúveis de fidelidade a seus ideais. É um texto fluido, como desses igarapés amazônicos que correm para os riachos, estes para os rios e os rios para o mar oceano. Algumas vezes, fechamos o livro para sonhar as aventuras de menino ali narradas com um preciosismo de dar gosto, ou para sentir os batimentos do coração do jovem embriagado de amor, ou apenas para festejar o surgimento do herói da raça, este ser mítico que tem o poder de fazer vibrar e sonhar tudo o que toca com sua palavra, com seu discurso e mais, com a posição de autoridade moral que a vida fez por bem enobrecê-lo, com suas atitudes e seus atos, sempre grandes, imensos, generosos e espaçosos. Nas linhas amarelas do tempo redescobri diversos Florianos. Todos banhados de utopia. Todos encharcados de poesia. Reconheci em algumas histórias por ele narradas com maestria o Floriano Maiakovski (porque nele a anatomia também se perdeu e passou a ser todo coração), o Floriano Brecht (o líder daquele seleto grupo de homens imprescindíveis), o Floriano Neruda (porque desde sempre soube que a poesia tem comunicação secreta com o sofrimento do homem), o Floriano Jobim (aquele que entende que fundamental mesmo é o amor, porque é impossível ser feliz sozinho) e finalmente o Floriano Buarque (que um dia era o rei, era o bedel e era também o juiz e pela sua lei toda a gente era obrigada a ser feliz). Para além de tudo o mais, temos de corpo inteiro apenas e tão-somente o menino Floriano, neto de meu bisavô Zacarias, filho de meu avô Venâncio e dessa mulher exuberante e de muitas lutas chamada Querubina. Anseio pelo tempo em que esse livro seja adotado para leitura em todas as escolas públicas do Rio Grande do Norte. Porque é um texto por demais precioso para habitar apenas estantes e prateleiras de bibliotecas e de Institutos Históricos e Geográficos. E que comece por sua bela cidade Macau, se espraie por todo o Vale do Assu e alcance a metrópole Natal. Dali será um pulo para conquistar o Nordeste brasileiro. Afinal, “Minhas Tamataranas: Linhas Amarelas” tem o peso literário e testemunhal de Vidas Secas (Graciliano Ramos), Menino de Engenho (José Lins do Rego), O Quinze (Rachel de Queiróz), A Bagaceira (José Américo de Almeida) e Memórias (Humberto de Campos). E não fica nada a dever a qualquer um deles.

Brasília, 27 de março de 2013

Washington Araújo

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais