O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN - Rio Grande do Norte
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos
Acesse o Comitê RN no Facebook

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Reprimidos Ditadura Militar no RN | Repressores Ditadura Militar no RN

Ditadura Militar de 1964 no Rio Grande do Norte
Emmanuel Bezerra dos Santos
Repressão no RN

Emmanuel Bezerra

Meus primeiros contatos que se fundiriam em relação de amizade e, depois, como pessoa de partido, com Emanuel, aconteceram nos idos de 1967/1968 em pleno efervescer do movimento estudantil no Brasil e, particularmente em Natal, onde, aqui, de forma organizada e pujante confrontamos a repressão da Ditadura e muitas vezes resistimos nas ruas aos passos de ganso, ao estilo nazista, da polícia militar. Todos nos lembramos desses acontecimentos, até com nostalgia, pois esses fatos são praticamente a nossa iniciação revolucionária; os nossos primeiros instantes de prática política efetiva da luta geral por um mundo melhor, por uma sociedade igualitária, onde inexista a ganância do capital que sufoca o direito do homem.

Nessa época e no curso desses acontecimentos Emanuel já era presidente da Casa do Estudante de Natal e uma das lideranças incontestáveis do Movimento Estudantil. Todos que participavam do movimento tinham respeito por ele. Um respeito existente por conta de sua capacidade intelectual, de sua condição de argüir mas, principalmente, um respeito vindo de tudo no que ele acreditava, com todas as forças de seu ser. E no que ele acreditava da maneira mais eloqüente e na forma mais pura da dialética marxista de destrinchar a história, era na Revolução. E era essa crença que lhe dava o fervor e a vontade de estudar a cada momento, da maneira mais cientí?ca possível e com uma persistente e inigualável disciplina, em seus diversos matizes, a revolução. Mas também não residia nele só a vontade de estudar a revolução, mas de fazê-la, de lutar, de contribuir, de combater. Esta era sua natureza; foi assim que o conheci. Como ele diz em um de seus poemas: “meu sonho, uma grande rosa; minha poesia, Luta”.

Depois do famigerado AI-5, vimo-nos forçados a entrar na clandestinidade. Não havia outra opção, porque para nós a opção era continuar o trabalho político. E isso significava um empenho de corpo e alma; uma entrega total; uma renúncia completa a tudo que não fosse o trabalho político. A saída de Emanuel foi esta, a opção lógica de quem estava na luta. A clandestinidade, a dedicação, a tenacidade, a busca incessante da melhor perspectiva possível para a revolução brasileira e a preparação longa e intensiva de suas condições objetivas.

A assinatura do AI-5 em dezembro de 1968 manifesta-se à nação brasileira como o apogeu e o recado do sistema dirigido pelos generais de que não estavam no poder por brincadeira, e é então que todos, perseguidos e visados pelos órgãos de repressão do regime se vêem obrigados a entrar na clandestinidade a ?m de continuar a luta num enfrentamento historicamente difícil e doloroso, momento circunstancial em que era preciso “estar ganho ideologicamente”.

Foi assim nesse ambiente de completo autoritarismo em que a ditadura não permitia qualquer ação ou manifestação de protesto que nos meados de 1971 vou encontrar Emanuel, em Maceió, dirigindo e organizando o partido naquele momento.

Morei e convivi com Emanuel perto de um ano e oito meses. Nosso aparelho era praticamente a sede do partido em Maceió, pois toda a propaganda e todo trabalho teórico e a sistemática operacional da organização eram feitos a partir de nosso aparelho. Por motivos de segurança tínhamos que periodicamente mudar de local.

No que se refere a sobrevivência vivíamos franciscanamente, pois nosso sustento (alimentação, vestuário, manutenção de aparelho) estava a mercê de doações da pequena-burguesia, uma pequena-burguesia, diga-se de passagem, amedrontada e intimidada pela propaganda e uma violenta repressão, pois até aquele momento histórico nossa organização não tinha projetos de conseguir receita através de apropriações. Os simpatizantes e os quadros eram quem mantinham a organização.

Nossa convivência era a melhor e mais salutar possível. Não abríamos mão da disciplina e das tarefas do partido. Para que eu pudesse estar cada vez mais preparado para o dia a dia da organização, Emanuel discutia comigo os problemas gerais da revolução brasileira; a situação da esquerda no Brasil, suas diversas organizações e o contexto das variadas linhas políticas; a crise geral do capitalismo e suas contradições principais e, em particular, as questões centrais de nosso partido. Em Emanuel era uma constante a discussão de como a revolução se daria, daí a gradação de conhecimento e posições alinhada a uma grande vontade ideológica e política de realizá-la.

Foi dessa forma a minha relação e vivência diária com Emanuel no período que passei em Alagoas. Para mim uma fase rica em aprendizado e um privilégio por ter convivido com ele.

Em 1973 fui para Recife. A essa altura as ações armadas eram escassas. As organizações revolucionárias estavam praticamente esfaceladas; muitas deixaram de existir. A repressão era implacável; o DOI-CODI atuava à maneira da Gestapo, com o beneplácito do Governo e uma infra-estrutura voltada para prender, torturar, seviciar e matar brasileiros; centenas, milhares de prisões pelo país inteiro; os porões do regime se amontoavam de presos sem garantia alguma. E então Emanuel é preso e assassinado.

Sua execução física além de me marcar de modo particular, marca também a história da esquerda de nosso estado, não somente pela sua grandeza e humanidade, mas acima de tudo pela dimensão que sempre soube dar na luta constante e incansável contra a exploração do homem pelo homem.

Edilson Romariz Machado
Ex-militante político - PCR
Maio/2008

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais