Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique




Políticas Públicas Caminho de Exigibilidade dos DHESC: Uma experiência de atuação no controle social da política pública de saúde

CDHPF - Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo 

A Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo foi criada em 1984 e atua, desde lá na promoção dos direitos humanos numa perspecti­va universal, interdependente e indivisível. E filiada ao Movimento Naci­onal de Direitos Humanos e tem abrangência na região planalto, especial­mente em Passo Fundo e nos municípios próximos. Entre os diversos cam­pos de atuação, a participação em instâncias de controle social de políticas públicas foi objeto de luta histórica no processo constituinte, do qual a entidade participou e, depois pela sua regulamentação e efetivação. A atu­ação cm saúde, neste sentido se converte numa das experiências com maior incidência e acúmulo, por isso segue relatada e analisada. 

Uma experiência de controle social 

A Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo (CDHPF) acom­panha o controle social das políticas públicas de saúde na região de Pas­so Fundo desde 1990. Neste período, desenvolveu três frentes de ação: a) acompanhamento da CIMS (Comissão Intersetorial Municipal de Saúde), depois transformada, passando a integrar o Conselho Municipal de Saúde (desde sua criação, em 1992); b) contribuição na criação tendo feito parte da primeira composição e da primeira presidência do Conse­lho Regional de Saúde na Sexta Coordenadoria Regional de Saúde do Governo Estadual (1995-1996), tendo por este motivo também integra­do representando este Conselho o Conselho Estadual de Saúde (no mes­mo período); c) articulação e integração do Fórum Municipal dos Usuá­rios do Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesta atuação, o objetivo da CDHPF tem sido historicamente o de contribuir na qualificação do controle social em políticas públicas, pro­curando fazer o monitoramento da garantia do direito à saúde como di­reito fundamental do ser humano. Isto porque entende que a consolida­ção do direito da saúde se dá através da implantação de políticas públi­cas. No caso do direito à saúde o instrumento de política pública construído pela luta social é o Sistema Único de Saúde (SUS). Imple???menta-lo amplamente em seus princípios e diretrizes é trabalhar para fazer avançar a garantia efetiva do direito à saúde. A ação de con­trole em sentido amplo, no entender da CDHPF, precisa também contri­buir para que o conjunto da sociedade compreenda que a consolidação dos direitos humanos passa pela necessidade da efetivação de políticas públicas implementadas pelo Estado e controladas pela sociedade.

Desenvolver o controle social implica diversas ações para efetiva-lo. E necessário atuar com diversos públicos: as entidades que compõe os Conselhos de Saúde (quando municipal entidades de âmbito munici­pal, quando regional com entidades regionais); o conjunto da sociedade civil organizada. articulando de modo especial as organizações de usuários do SUS para pensarem as suas estratégias de ação nos Conselhos, nas Conferências e propondo agendas e lutas; as lideranças sociais di­versas, em processos formativos; e o conjunto da sociedade nos mo­mentos de informação, conscientização e também nos de confronto de projetos, fazendo pressão política.

Ao longo dessa experiência, a CDHPF desenvolveu diversas ati­vidades que, muitas vezes, se diferenciaram no tempo e outras vezes aconteceram de forma articulada e concomitante. Entre elas destaca­mos: a) Acompanhamento da CIMS; b) Integração do primeiro Conse­lho Municipal de Saúde e de todas as demais composições desde sua criação; c) Articulação e participação do Fórum dos Usuários do SUS de Passo Fundo; d) Integração e coordenação do Conselho Regional da S???aúde; e) Coordenação do Conselho Municipal de Saúde de Passo Fun­do; f) Participação assessoria de processos formativos; g) Elaboração e publicação de cartilhas divulgando a proposta dos SUS e a necessidade do controle social; h) Participação nas Pré-Conferências e nas Confe­rências Municipais de Saúde; i) Articulação a assessoria de reuniões de base para divulgar as ações do Conselho Municipal de Saúde e para conscientizar sobre o direito à saúde como um direito fundamental de todos os cidadãos; j) Participação em mobilizações de enfrentamento ao poder público municipal seja para garantir políticas propostas pelo Con­selho, seja para garantir mais recursos orçamentários para a Saúde ou mesmo para ver implementada uma proposta de política construída com a participação popular.

A atuação de uma década trouxe acúmulos, aprendizagens e resul­tados em diversos níveis.

Internamente, a CDI-IPF acumulou institucionalmente ampliando sua compreensão das políticas públicas de saúde, do funcionamento do SUS, sobre a capacidade de exercer o controle social propositivamente e qualificou a metodologia de organização de base.

Junto aos sujeitos sociais e às organizações dos usuários, observa-se uma maior compreensão do conjunto da sociedade sobre os Direitos Humanos não somente como direitos individuais ou civis e políticos, mas também como conjunto das condições ec???onômicas, sociais, políti­cas, culturais e ambientais necessárias para que os cidadãos vivam com dignidade e façam parte da pauta da luta e ação em vista da garantia efetiva dos direitos humanos.

Tem ainda avançado a consciência de que saúde não é apenas a ausência da moléstia, mas sim o conjunto de condições para uma vida digna em diversos aspectos. Além disso, tem avançado a compreensão de que a gratuidade e a equidade não são favor ou benesse do poder público, mas obrigação constitucional e moral.

O Conselho Municipal de Saúde de Passo Fundo está consolidado enquanto espaço de defesa do SUS e de controle social das políticas públicas de saúde4. Reconhecidamente o Conselho Municipal de Saúde de Passo Fundo é um espaço que possui uma dinâmica interna democrá­tica. Enquanto na maioria das vezes a composição dos conselhos é feita por determinação da lei municipal e o seu presidente é cargo nomeado pelo executivo municipal, em Passo Fundo, a escolha dos conselheiros — tanto titulares como suplentes — acontece em plenárias abertas e especial­mente convocadas para tal e a Mesa Coordenadora é eleita diretamente pelos conselheiros em votação direta. Acreditamos que isso garante ao Conselho a independência necessária para cumprir o seu papel no contro­le social. Ao mesmo tempo, é motivo de constantes disputas com o gestor e com os grupos da saúde privada que advogam a idéia de que para enten­der de saúde é necessário ser “doutor”. Essa disputa já resultou em tenta­tivas de cassação do mandato d???os atuais conselheiros promovida pelo gestor municipal, o que não foi possível devido à mobilização social articulada pelo Fórum Municipal dos Usuários do SUS.

O Fórum Municipal é o espaço legítimo e autônomo de articula­ção e participação de todas as organizações e pessoas interessadas em defender o SUS como política pública e em promover amplamente o direito à saúde. Reúne tanto as entidades que participam com titularidade ou suplência no Conselho como as que não foram escolhidas para tal, mas que se entendem irmanadas na mesma luta. O Fórum é o espaço amplo de articulação de ações e de formulação de propostas e de estraté­gias, bem como de mobilização da comunidade em geral para fortalecer o controle social nas instâncias ordinárias (Conselho) quanto para sua promoção em sentido amplo, através da divulgação e atuação na capacitação de agentes de garantia dos direitos.

A participação da CDHPF no campo da saúde é reconhecida pelo conjunto da sociedade civil, tendo em vista que é uma das poucas enti­dades que compõem o Conselho desde a sua criação sendo reconduzida para esse espaço nas diversas recomposições do Conselho, mesmo em momentos de grande disputa pelas vagas. Junto ao Fórum, também exerce um papel estratégico de aportar a temática dos direitos humanos como componente da política de saúde, atuando de forma permanente na arti­culação e mobilização das diversas organizações participantes e mar­cando presença nas ações por ele desenvolvidas. 

Compreendendo um pouco a experiência 

A CDHPF entende que o controle social das políticas públicas depende de um conjunto de ações articuladas envolvendo diversos públicos e instâncias. Ocupar os espaços institucionais criados pela Cons­tituição Federal de 1988 e das Leis Orgânicas que a regulamentam (no caso da saúde, Leis 8.080 e 8.142) é um passo significativo, porém que não se esgota em si mesmo. Os Conselhos, as Conferências, as Audiên­cias Públicas e outros espaços de participação institucional são funda­mentais, são estratégicos na perspectiva da democratização do Estado e de sua aproximação das aspirações sociais. Eles podem consagrar pac­tos de ação e promover avanços concretos na garantia de direitos. No entanto, a organização de base e a conscientização da população para que entenda a saúde como um direitos de todos e, principalmente, como um direito fundamental. um direito humano, através do qual se pode concretizar a dignidade humana é o que decisivamente pode tornar este processo sustentável. Junto a isto, a informação e a formação, seja para entender as políticas públicas de saúde, seja sua relação com os direitos humanos, seja para ter a capacidade de exercer o controle social de for­ma avaliativa e propositiva, são também ingredientes estratégicos e exi­gem atuação concreta das organizações e dos sujeitos sociais.

A partir da compreensão de que os Direitos Humanos formam um conjunto de garantias (positivas, exigíveis, judiciáveis) do ponto de vis­ta econômico, social, cultural, político, jurídico em vista de ir efetivan­do progressivamente — sem admitir retrocessos por nenhum motivo a dignidade humana. Os direitos humanos são universais, indivisíveis e interdependentes e neste sentido implicam ações articuladas e consis­tentes, estruturais e sustentáveis. E responsabilidade dos Estados a sua garantia. Portanto, sua consolidação está diretamente relacionada à efetivação de políticas públicas que criem as condições para tanto.

Nessa perspectiva, a atuação da CDHPF pretende, através do con­trole social das políticas públicas de saúde, exigir que o Estado, em sua esfera municipal, cumpra com o papel de elaboração e implementação de políticas que garantam melhores condições de saúde ao conjunto dos cidadãos e, ao mesmo tempo, trabalhe junto com a sociedade civil para que desenvolva amplamente sua capacidade de cumprir com um de seus papéis mais relevantes em matéria de garantia de direitos que é a propo­sições e o controle social da implementação de políticas públicas.

Acredita que, desta forma, está consoante ao que expressa o MNDH (Movimento Nacional de Direitos Humanos), ao qual é filiada desde 1984, quando diz que: “Falar de políticas públicas corno instrumento de efetivação dos direitos humanos significa também reconhecer que a sociedade civil organizada, especialmente os m???ovimentos populares, tem um papel de protagonismo no exercício do controle social e na proposição e interlocução. Além disso, exige capacidade de monitoramento e avalia­ção, em vista de fazer avançar a efetivação da garantia dos direitos”5.

Além disso, seguindo o mesmo documento do MNDH: “Desen­volver políticas públicas em direitos humanos implica reconhecer dois aspectos indissociáveis e complementares: a) direitas humanos são base de todas as políticas públicas no sentido de que elas vêm para respon­der à responsabilidade e o Estado garantir acesso e satisfação dos direitos; b) direitos humanos exigem políticas públicas específicas, nos sentido de que devem ser desenvolvidas políticas públicas de direitos humanos. (...) direitos humanos em todas as políticas públicas e direitos humanos como política pública”6

Aprendizagens acumuladas 

A experiência desenvolvida pela CDHPF aponta diversos aspec­tos de aprendizagem acumulada que apresentamos como limites e desa­fios do ponto de vista da atuação interna, bem como da compreensão de que os direitos humanos são universais, indivisíveis e interdependentes e concretizados por políticas públicas.

Do ponto de vista interno, o desafio é ???aprimorar a capacidade de monitoramento das políticas públicas, com elaboração de indicadores de satisfação de direitos que, com sua utilização seja possível ampliar a capacidade de controle social na perspectiva da proposição, do monitoramento e da avaliação permanentes das políticas.

No tocante à concepção de direitos humanos pode-se identificar os seguintes aspectos:

a) Em relação ao poder público, ainda há muito que avançar para que os gestores locais entendam e respeitem a legitimidade da sociedade civil, através dos movimentos populares, exercerem o controle social de forma plena (deliberativa) sobre a definição e a implementação das políticas públicas. A persistência de práticas autoritárias, flagran­temente inconstitucionais, leva ao reforço do paternalismo, de um lado, e ao enfrentamento político de projetos, de outro, este último aspecto por si não é ruim, aliás tem sido pedra de toque para avanço da consciência social em geral e em matéria de direitos. Permanece, nesse sentido, o desafio de democratizarmos mais o Estado superan­do a cultura do autoritarismo, já que direitos humanos implica um diálogo estreito com desenvolvimento e democracia.

b) O conjunto da sociedade ainda compreende, em grande medida, as políticas públicas como benesses do Estado. Essa cultura é fruto da vigência histórica de um Estado paternalista, clientelista e patrimonialista???. O desafio é de trabalhar diuturnamente na constru­ção de urna cultura de direitos. o que implica desconstruir a concep­ção de Estado privarizado e controlado por grupos privados e privatistas e afirmar a participação popular como elemento de constituição da cidadania e de políticas públicas que efetivem os direitos humanos.

No que diz respeito às organizações populares é fundamental dar passos significativos no sentido de fortalecer o processo de organização de base e o desenvolvimento de instrumentos mais eficazes de interlocução permanente para ir além de demandas pontuais e dialogue estreitamente com projetos e processos de desenvolvimento e de demo­cratização da sociedade e que se convertem em participação ativa e propositiva no monitoramento dos processos concretos de efetivação dos direitos. através de políticas públicas. 

Notas: 

4 Na última escolha de composição do Conselho Municipal tinham 87 entidades usuárias para ocupar 15 vagas. Esse fato demonstra importância e a preocupação da sociedade civil organizada cm ocupar esse espaço. A coordenação do Conse???lho Municipal, nas últimas três gestões (seis anos), é ocupada por um usuário, o que demonstra a hegemonia dos usuários na composição do conselho bem como a compreensão de que esse espaço é de fato para o controle social, portanto a sua coordenação deve ser feita pelas entidades que representam os grupos menos favorecidos e que mais necessitam da proteção das políticas públicas. 

5 Constituição Federal. MNDH. Sistema Nacional de Proteção dos Direitos Humanos – Proposta do MNDH. Brasília: MNDH, 2001, p. 14. 

6 Cf. MNDH. Op. Cit. p. 14.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar