Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


PENA DE MORTE 

HÉLIO PEllEGRINO
Psicanalista, jornalista, escritor e poeta, falecido em 1989.

Para Freud, as pulsões humanas são, em última instância, conservadoras: elas se voltam basicamente para o passado, tentando reeditá-lo ou reproduzi-lo. Esta vocação conservadora, pela qual as pulsões tendem a restaurar – além do princípio do prazer – um estado anterior de coisas, constitui a mola mestra da compulsão à repetição, a cujo poder está sujeito o funcionamento psíquico. De acordo com o criador da psicanálise, somos todos – no fundo – passadistas inveterados. A evolução nos empurra para a frente e nós, - quem sabe? Pelo tédio à controvérsia. O mais profundo desejo do ser humano é, em escala, - ou escada – decrescente, a volta à infância, à vida ultra-interina e por fim, à condição inorgânica, ou mineral. Temos saudade de ser pó, do qual saímos, ou de ser pedra, osso desnudo – silêncio.

Na presente cena política brasileira, o ex-Presidente Jânio da Silva Quadros é um excelente – e freudiano – exemplo de obediência e compulsão de repetição. Ao candidatar-se à prefeitura de São Paulo, com as momices, cacoetes e obliqüidades pronominais de praxe, o Sr. Jânio Quadros é menos um postulante a um cargo eletivo do que oficiante de Tanatos, ocupado – e preocupado – em exumar tempos velhos, para servir ao perempto. E, como se não bastasse a celebração tanática a que se entrega, pelos bairros, vielas e betesgas da capital paulistana, em busca da edilidade perdida, o candidato do PTB anuncia ainda, como prato de seu rancho de campanha, a pena de morte. É claro que, do castigo máximo, ficam excluídos os crimes políticos – renúncia fraudulenta, em primeiro lugar – nas suas dimensões presentes,, passadas e futuras. O ex-Presidente sabe cuidar da própria pele.

A pena de morte, não obstante os esgares e contorcionismos ideológicos que a queiram legitimar, é um crime contra a justiça – e contra o esforço civilizatório da raça humana. Humanizar-se – ou hominizar-se – é poder suprimir ou sublimar os impulsos primitivos que nos levam a combater o crime – com o crime. A pena de morte tem como fundamento não o desejo de reparação ou de justiça, mas a sede bruta de vingança. Na medida de sua adoção, ficamos filosófica e moralmente comprometidos e emparelhados pela lógica – zoológica – do velho axioma iníquo: olho por olho, dente por dente. Se o mal com o mal se paga, numa estrita e sinistra odonto-oftálmica, não há porque não condecorar, com as mais altas insígnias republicanas, os beneméritos esquadrões da morte que exornam nossa paisagem cívica, jurídica e policial. A pena de morte, incluída na letra do Código Penal, consagra – e institucionaliza – o procedimento desses bandos criminosos transformando-o em norma de justiça. Convenhamos que, em matéria de desordem, poucas medidas seriam capazes de chegar tão longe.

Na avaliação do problema da pena de morte, há que levar em conta o fato de que ela, uma vez aplicada, cria uma situação absoluta – e irreparável. A morte é a impossibilidade de qualquer possibilidade, seja lá do que for. Na medida em que condenemos alguém à execução capital, estaremos praticando um ato absoluto. desmesurado e ilimitado na sua irretratabilidade. Ora, para que uma ação desse tipo fosse minimamente legitimável, seria necessário que os julgamentos humanos pudessem reivindicar para si um grau também absoluto de certeza – e de verdade. Só posso castigar quem quer que seja, de maneira absoluta, na medida de uma absolutização paranóica de minhas razões, critérios e discernimentos. A pena de morte, por parte daqueles que a defendem, uma usurpação do lugar da divindade. Só Deus é senhor absoluto – e juiz supremo – da vida e da morte.

Isso posto, não me venham dizer que o apoio à pena capital seja compatível com uma visão religiosa – ou cristã – do mundo e das coisas. O Evangelho se fundamenta no amor 0 não na vingança -, e seu espírito repele até mesmo a justiça sem misericórdia. Cristo, ao morrer pela redenção do homem, inundou-o infinitamente com a possibilidade da graça transformadora e regeneradora. Se Lázaro ressuscitou dos mortos, qualquer ser humano pode emergir das trevas da iniqüidade, do pecado e do crime, pela graça de Deus. A adoção da pena de morte é um ato de desespero social, que atenta contra a esperança e contra o mistério da Redenção, golpeando em seu cerne o mandamento supremo do amor, ao Próximo.

Além dos aspectos filosóficos e religiosos que a condenam, a pena de morte é perfeitamente indefensável a partir de argumentos sociais e político. Cada sociedade tem os criminosos que merece, isto é, a prática do bem e do mal, ou a maneira pela qual os seres humanos se relacionam, tem tudo a ver com a vida comunitária e com o grau de justiça – ou de injustiça – que lhe define a estrutura. A fome, a opressão espoliadora, o abandono da infância, o desemprego em massa, as greves – e clamores – desníveis entre as classes não constituem, obviamente, boa fonte de inspiração para um correto exercício da cidadania. O processo civilizatório, pelo qual cada um de nós dá o salto da natureza para a cultura, de modo a tornar-se sócio da sociedade humana, exige renúncias cruciais – e sacrifícios cruciantes. Na infância, através das vicissitudes do complexo de Édito, temos que abrir mão de nossas primeiras – e decisivas – paixões. Depois, o corpo social nos impõe a lenta e dolorosa aquisição de uma competência, que nos qualifique para o trabalho e para o pão de cada dia.

Tudo isto – contadas as favas – nos custa os olhos da cara, e da alma. É preciso, de maneira absoluta, que cada trabalhador, seja ele qual for, receba da comunidade um retorno salarial e existencial condigno, expressão do respeito coletivo pelo seu esforço. Este é um dever social irrevogável, ao qual corresponde um direito sagrado. A ruptura desta articulação constitui uma violência inaudita, capaz de tornar-se a matriz de todas as violências – e de todos os crimes. Uma sociedade como a nossa, visceralmente comprometida com a injustiça e, portanto, geradora de revolta e delinqüência, cometeria uma impostura devastadora – e destruidora -, se adotasse a pena de morte. Ao invés de fabricarmos bodes expiatórios, temos todos que assumir, sem exceção de ninguém, a responsabilidade geral pela crise – e pelo crime.

Há, por fim, a favor da pena de morte o argumento psicológico da intimidação. O criminoso, diante do risco de perder a vida, pensa duas ou mais vezes na conseqüência fatal do delito que o tenta, acabando por desistir de praticá-lo. Afirma-se aqui o princípio – psicanaliticamente ilusório – de que o delinqüente grave tem arraigado amor à própria vida. Em verdade, acontece o oposto. A auto estima do ser humano se constrói a partir dos cuidados – do amor – recebidos de fora, dos outros. Este amor, internalizado, vai constituir o fundamento da possibilidade que cada um terá de amar-se a si mesmo, por ter sido amado. Se sou capaz de amar a mim próprio, e à minha vida, sou também proporcionalmente capaz de amar ao Próximo, meu semelhante, meu irmão – e meu espelho.

O criminoso grave, ao liquidar sua vítima, condena-se, por mediação dela, à morte, com ódio e desprezo. Não o imitemos, através da pena de morte.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar