Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


A POPULARIZAÇÃO DA PENA DE MORTE 

Fábio Konder Comparato**  

Como diz o ditado, o diabo depois de velho faz-se ermitão.

Os atuais defensores da pena de morte, que são, quase todos, militantes enraivecidos da antidemocracia, não encontram caminho mais sedutor para o seu projeto de homicídio legal dos criminosos que o de propor a realização de um plebiscito. Os que sempre desprezaram insolenemente o povo, considerando-o uma manada ignorante e impulsiva, apresentam-se agora como ardentes servidores da soberania popular. Melhor do que emendar a Constituição por ato do Congresso Nacional, proclamam eles, é ir diretamente ao povo soberano, fonte de todo o Direito, e pedir a sua benção para a pena capital.

O estratagema é falso como o demônio.

A democracia não se reduz à soberania popular, mas compreende também uma outra exigência insuprimível: o respeito aos direitos humanos. Um sistema político não se qualifica como democrático tão só pelo princípio majoritário; é ainda indispensável que se estabeleçam defesas sólidas dos direitos da minoria. O predomínio da vontade popular representa, sem dúvida, uma forma eficaz de se controlar o poder dos governantes. Mas a lei da maioria pede também converter-se no mais feroz dos despotismos, facilmente manipulável ao sabor das paixões do momento. Os freqüentes linchamentos – dos quais o recente episódio de Matupá (MT), onde a multidão enfurecida incinerou três assaltantes, é mero exemplo – confirmam quase quotidianamente essa verdade.

Não há democracia sem o respeito aos direitos fundamentais da pessoa humana. O regime da soberania popular, quando desligado dos direitos humanos, não é democrático, mas configura aquilo que o pensamento político clássico denominava oclocracia, isto é, o governo da turbamulta, do populacho desenfreado.

Lembre-se, afinal, que os direitos humanos são ditos fundamentais, não tanto pelo fato de serem inalteráveis e insuprimíveis por meio de leis ordinárias, mas sobretudo porque devem ser respeitados em qualquer circunstância, seja qual for a maioria imperante. Ainda estaríamos, porventura, em regime democrático, se o povo brasileiro, convocado a se pronunciar em plebiscito, decidisse inserir na constituição a regra de que os índios não podem ingressar na escola superior, ou de que não-católicos têm vetado o acesso a cargos públicos?

Ora, a pena de morte não importa na violação de um direito qualquer, mas representa a negação do mais fundamental dos direitos humanos, aquele que constitui a raiz ou fonte de todos eles: o direito à vida.

Contra essa verdade óbvia, alega-se que a pena de morte é legítima, porque se funda em julgamento regular do criminoso pelo Poder Judiciário. Mas o fato de um acusado ser regularmente condenado pelo órgão judicante do Estado não legitima, de modo algum, o resultado do julgamento. Se a lei brasileira, a exemplo do direito islâmico, determinasse que todo condenado por furto  tivesse a mão decepada, nem por isso o julgamento regular do ladrão significaria o respeito à integridade física alheia. Afinal de contas, a idéia de direitos humanos nasceu de uma exigência de proteção individual contra atos do Poder público. Não é o fato de a pena ter sido criada por lei, ou aplicada mediante processo oficial regular, que ela deve ser considerada legítima, quando viola um direito fundamental do homem.

É facilmente compreensível, pois, a razão lógica do disposto no art. 60, § 4º, IV da Constituição brasileira: “não será objeto de deliberação a proposta de emenda (constitucional) tendente a abolir os direitos e garantias individuais”.

Foi justamente para contornar essa proibição que os novos defensores da pena de homicídio propuseram, astutamente, que a Constituição fosse emendada, nessa matéria, não pelo Congresso, mas diretamente pelo próprio povo. Ressalte-se a hipocrisia do plano: o Congresso Nacional, que não hesitou em usurpar a soberania popular ao decidir votar a nova Constituição sem ter para tanto recebido mandato do povo, enche-se agora de escrúpulos para emendá-la...

Mas a manobra foi mal concebida. A proibição constitucional de supressão de direitos individuais não se dirige apenas aos representantes do povo, mas também e obviamente a este último. Se assim não fora, teríamos que a maioria do eleitorado estaria sempre habilitada a reformar ou abolir direitos fundamentais da minoria: o que representaria a negação pura e simples da idéia de direitos humanos.

Pior ainda é o sofisma, recentemente levantado no Congresso, segundo a qual a regra proibitiva do art. 60, § 4º, IV da Constituição, aplica-se, tão só, à abolição do conjunto dos direitos individuais; e não a modesta supressão de um só, ou alguns deles apenas. Ou seja, se o projeto de emenda à Constituição for de âmbito muito exagerado, ele não pode ser processado; mas se a proposta tiver uma amplitude menos ousada, limitando-se a coibir – digamos – algum “excesso” constitucional na defesa da pessoa humana, então não haverá obstáculos à sua votação. Poder-se-ia, talvez, testar a coerência e autenticidade dessa interpretação constitucional, propondo-se, ao invés da reintrodução da pena de morte no País, a supressão do direito de propriedade. Quem sabe, então, os recém-convertidos à democracia direta entendessem o que está inscrito na Constituição.

É forçoso reconhecer que esse lamentável debate põe a nu o nosso tradicional desprezo pela vida humana. Num país em que 60% da população vegeta abaixo do nível de pobreza tolerável, segundo os padrões internacionais, o homem vale realmente muito pouco. E é dessa vergonhosa deformação mental e social que se aproveitam os nossos democratas, para cultivar no eleitorado os mais baixos instintos.

Não bastassem as deformações indeléveis que o popularismo trouxe à política brasileira, será que ainda temos de sofrer o aviltamento da vida humana à condição de mercadoria eleitoral? 

São Paulo, 19 de março de 1991.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal Folha de São Paulo, em 21 de março de 1991, pág. 1-3, Tendência e Debates.

** Professor Titular da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Doutor em Direito pela Universidade de Paris.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar