Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Direitos Humanos – Uma Idéia, muitas Vozes
João Baptista Herkenhoff

Capítulo 22

  A Constituição Brasileira de 1988 à face da tortura e o reconhecimento de todo ser humano com o pessoa

1. A tortura e o castigo ou tratamento cruel, desumano ou degradante

O inciso III do art. 5º da Constituição da República Federativa do Brasil estipula que “ningu?ém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante”.

Coerente com a proibição contida no inc. III, determi­na o inc. XLIII do art. 5º que “a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e 05 crimes definidos como hediondos, por eles respon­dendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-­los, se omitirem”.

Na mesma linha de respeito à pessoa, diz o inc. XLVII que não haverá penas:

a) de morte, salvo em caso de guerra declarada;

b) de caráter perpétuo;

c) de trabalhos forçados;

d) de banimento;

e) cruéis.

?

Em comunhão com esses princípios diz o inc. XLV que:

“nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido”.

Em seguimento a estas estipulações proibitórias, a Constituição contém princípios afirmativos que realçam as proibições estabelecidas. Assim, no mesmo citado art. 5º, temos:

“XLVI – a lei regulará a individualização da pena;

XLVIII – a pena será cumprida em estabelecimento distinto, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;

XLIX – é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;

L – às presidiárias serão asse?guradas condições para que possam permanecer com seus filhos durante o período de amamentação”.

Por todas essas citações de dispositivos constitucionais, fica evidenciado que o atual ordenamento jurídico brasileiro dá pleno agasalho ao artigo V da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

2. A Constituição Brasileira e o reconhecimento de todo ser humano como pessoa

Depois, em diversos incisos, o art. 5º efetiva o prin­cípio geral do reconhecimento de todos os seres humanos como pessoas e dá consequência jurídica a esse reconhe­cimento:

- São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a inde­nização pelo dano material ou moral decorrente de sua vio­lação;

XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos pú­blicos informações de seu interesse particular, ou interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de res?ponsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado;

XXX IV - são a todos assegurados, independentemen­te do pagamento de taxas:

a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pes­soal;

b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal;

LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente po­bres, na forma da lei:

a) o registro civil de nascimento;

b) a certidão de óbito”.

Todas essas franquias aproveitam não apenas aos bra­sileiros, como também aos estrangeiros residentes no Bra­sil. E espe?cificamente, no sentido da proteção do estrangei­ro, determina o inc. LII do art. 5º:

“não será concedida extradição de estrangeiro por cri­me político ou opinião”.

Assim sendo, verifica-se que nossa atual Constituição respalda cabalmente o princípio estatuído pelo art. 6 da De­claração Universal dos Direitos Humanos.

Questões para debate, pesquisa e revisão (Individual e/ou grupo), relacionadas com a Sétima Parte deste

1. Paga um exame crítico da matéria contida nesta Sexta

2. Resuma esta Pane do livro, assinalando seus pontos mis importantes e interessantes.

3. Redija um texto fazendo uma comparação entre os artigos V e VI da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

4. Organize um debate sobre a to?rtura e os castigos desu­manos, cruéis ou degradantes.

5. Com base em recortes de jornais ou entrevistas a pre­sos, fazer uma pesquisa sobre a situação dos presos no seu Estado ou município, ou apenas numa prisão determinada. Os presos estão sendo submetidos a tortura ou a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante?

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar