Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Gênese dos Direitos Humanos
Volume I
João Baptista Herkenhoff
Religiões e Sistemas Filosóficos em face dos DH
     


Posters Revolucionarios

Manifesto Comunista
Marx e Engels 1848

O Marxismo e os Direitos Humanos

Também acreditamos que o Marxismo realiza a idéia de Direitos Humanos. Comecemos pelo fundador dessa doutrina filosófica, social e econômica.

Nos escritos de Karl Marx, encontramos a arquitetura de todo um sistema social e econômico fundamentado na dignidade da pessoa humana e na exigência da libertação do homem, como consequência dessa mesma dignidade.

Disse com muita precisão André Frossard, numa obra publicada em 1992, que Marx quis sinceramente a libertação da humanidade, desejou um homem novo. Por essa razão, esse escritor francês não titubeou em incluir Karl Marx entre os grandes pastores da raça humana, num livro que tem justamente esse título: “Os grandes pastores – de Abraão a Karl Marx”.

Não é em outro filósofo, mas justamente em Marx, tão denegrido hoje pela propaganda massificadora, que encontramos a mais veemente denúncia ao desprezo pela pessoa humana. E da pena de Marx a apóstrofe fulminante contra o déspota, justamente porque este sempre vê o homem desprovido de sua dignidade.

Marx defende a liberdade como direito de todos e não como privilégio. Critica a concepção burguesa da liberdade, na qual via instrumento de egoísmo e veículo de separação entre os homens. Contrapropôs à liberdade burguesa uma visão de liberdade baseada na unido e na solidariedade entre as pessoas, o homem visto dentro da comunidade.

Exaltou Marx a liberdade de imprensa. Definiu a imprensa como espelho espiritual no qual o povo enxerga a sua face. Condenou a censura.

Viu Marx o Estado como aparelho de dominação de classe, como instrumento de opressão do homem e como pesadelo que o sufoca. Dentro dessa perspectiva, apontou para a conveniência de sua supressão, por desnecessário, na sociedade cujo advento pregou.

Defendeu a retomada pelo povo e para o povo de sua própria vida social.

Denunciou a ilusória divisão de poderes entre executivo e legislativo quando ambos servem à dominação.

Pronunciou-se a favor do sufrágio universal a partir das comunas. como única possibilidade de construção de uma verdadeira democracia.

Manifestou-se pela educação pública gratuita para todos e pela liberdade para a ciência.

Lenine também se pronunciou. em vários textos, em defesa da dignidade humana, contra a miséria e pela abolição de toda forma de exploração do homem. Consequência da proposta de proscrição de toda forma de exploração humana, defendeu a abolição das classes.

A partir de uma concepção sobre a força e a importância social do proletariado, defendeu o direito que tinha essa classe de conduzir a História.

Advogou a propriedade coletiva da terra, a obrigação do trabalho para todos e a real igualdade econômica de todos os indivíduos.

Defendeu unia democracia proletária com instituições representativas proletárias.

Bateu-se Lenine pelos direitos políticos da mulher e pelo sufrágio universal, que alcançaria todos os cidadãos que tivessem atingido 21 anos. sem distinção de religião e nacionalidade.

Ainda integram o credo de Leuine7 a liberdade de reunião. Associação e greve; a liberdade de culto; a igualdade de todas as nacionalidades; a supressão do passaporte e o direito de livre circulação; a liberdade de trabalho e a supressão das corporações; a completa publicidade dos atos de governo; a eleição para todos os cargos.

Em escritos assinados a duas mãos ou em coincidência de posições, encontramos ainda em Marx, Lenine e Engels;

A doutrina de dar a cada um, dentro do grupo social, segundo as pró­prias necessidades, em vez de a cada um segundo sua capacidade, de modo a evitar que a diferença de trabalho fosse fonte de desigualdade (Marx e Engels):

A tese da separação entre Igreja e Estado (Lenine e Engeis);

A idéia de responsabilidade de todo funcionário ou agente de auto­ridade, pelos atos que praticasse, perante os tribunais e perante os cida­dãos (Engels e Lenine);

A denúncia da exploração capitalista, da opressão da classe operária (Marx, Engels e Lenine).
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar