Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Sociedade Civil
 Mídia
 Conselhos de Direitos
 Executivo
 Legislativo
 Judiciário
 Ministério Público
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Gênese dos
Direitos Humanos
Volume I
João Baptista Herkenhoff
HISTÓRIA DOS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL


20. Os Direitos Humanos na Primeira Fase
da
Revolução de 1964

O Ato Institucional da Revolução de 31 de março de 1964 deu ao presidente da Republica poderes para decretar o estado de sítio, sem ouvir o Congresso Nacional (art. 6’). Suspendeu as garantias constitucionais e legais da vitaliciedade e estabilidade e, por conseguinte, também as garantias da magistratura. pelo prazo de 6 meses (art. 7º). Deu aos editores do Ato, bem como ao presidente da República. que seria escolhido, poderes para, até 60 dias depois da posse, cassar mandatos eletivos e suspender direitos políticos.

Tais atos foram colocados a descoberto de proteção judiciária (art. 7º, 4º).

O Ato institucional teria vigência até 31 de janeiro de 1966 mas, antes de seu termo, em 27 de outubro de 1965, o presidente da República assinou o Ato Institucional que então foi denominado de n.º 2, referendado pelos seus ministros, no qual se declarava que a Constituição de 1946 e as Constituições Estaduais e respectivas emendas eram mantidas com as modificações constantes do Ato.

Todos os poderes excepcionais do primeiro Ato Institucional foram revividos:

O de decretar o presidente o estado de sitio (art.13);

O de demitir. remover, dispensar, pôr em disponibilidade, aposentar, transferir para a reserva e reformar os titulares das garantias constitucionais e legais de vitaliciedade. inamovibilidade, estabilidade e exercício em função por tempo certo (art. 14);

O de cassar mandatos populares e suspender direitos políticos (art. 15);

Além dessas, conferiu ainda o Al-2 ao presidente as seguintes outras faculdades:

Colocar em recesso o Congresso Nacional, as Assembléias Legislativas e as Câmaras de Vereadores (art,.31);

Decretar a intervenção federal nos Estados (art. 17);

Todos os atos praticados estariam ao desabrigo do amparo judicial (art. 19).

Foi também estendido aos civis o foro militar, para repressão do que fosse considerado crime contra a segurança nacional ou as instituições militares (art. 80).

Os poderes dos Atos foram amplamente utilizados, inclusive com a decretação do recesso do Congresso Nacional, em 20 de outubro de 1966, por força do Ato Complementar n.º 23.

O Ato Institucional n0 2 vigorou até 15 de março de 1967, quando entrou em vigor a Constituição decretada e promulgada em 24 de janeiro de 1967.

O regime instituído pelos Atos Institucionais de n.º 1 e 2 não se compatibiliza com as franquias presentes na Declaração Universal dos Direitos Humanos, pelos seguintes fundamentos:

a) os punidos. a muitos dos quais se imputaram atos delituosos, não tiveram o direito de defesa previsto no art. 11 da Declaração;

b) o direito de receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo para os atos eventualmente violadores dos direitos reconhecidos pela Constituição e pela lei - previsto no art. 80 da Declaração tam­bém foi desrespeitado pelo artigo que revogou o princípio da ubiquidade da Justiça e excluiu de apreciação judiciária as punições da Revolução.

c) o tribunal independente e imparcial, a que todo homem tem direito, não o é aquele em que o próprio juiz está sujeito a punições discricionárias Assim, a total supressão das garantias da magistratura viola o art. 10.

d) a exclusão discricionária do grêmio político (suspensão de direitos de cidadão contraria o art. 21, que confere a todo homem o direito de participar do governo de seu país.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar