Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

 

HUMANISMO JURÍDICO

Dalmo de Abreu Dallari
Professor da Faculdade de Direito da USP

Através do reconhecimento e da proteção dos direitos humanos o direito recupera seu sentido humanista e se restabelece o vínculo do direito com a justiça. O que na linguagem contemporânea se nomeia como “direitos humanos” são as faculdades  e possibilidades que decorrem da condição humana e das necessidades fundamentais de toda pessoa humana. Tais faculdades e possibilidades são inerentes à natureza humana e se referem à preservação da integridade e da dignidade dos seres humanos e à plena realização de sua personalidade.

Por essas características fica evidente que a ordem jurídica positiva não pode ser contrária aos direitos humanos, não se admitindo que uma norma legal, sua interpretação e aplicação contrariem as exigências éticas da dignidade humana. Precisamente por se tratar de faculdades e possibilidades que nascem com a pessoa humana elas devem ter na ordem jurídica positiva sua proteção e a garantia da possibilidade de sua satisfação e expansão. Pode-se dizer que os diretos humanos são os equivalentes das necessidades humanas fundamentais, aquelas que devem ser atendidas para que se preserve o mínimo compatível com a dignidade humana e para que todos tenham a possibilidade de se desenvolver nos planos material, psíquico e espiritual. Por isso mesmo são universais, pois se referem a características de todos os seres humanos, de todas as épocas e de todos os lugares.

Há cinquenta anos a Organização das Nações Unidas proclamou a Declaração dos Direitos Humanos, não criando um direito novo mas despertando a consciência da humanidade para a necessidade de repor nas relações humanas o direito antigo, que nasceu com a própria humanidade e que o egoísmo, a ambição desmedida por riqueza, poder e prestígio político e social de alguns havia sufocado, deixando o caminho aberto à injustiça, à violência e à degradação de milhões de seres humanos. Um ponto fundamental, que deve ser sempre ressaltado, é a afirmação contida no artigo primeiro da Declaração: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos”. se em algum lugar do mundo, em algum momento, houver uma regra jurídica que não dê a todos, sem qualquer exceção, a mesma liberdade e que não assegura a todos, de modo igual, a mesma proteção à dignidade e aos direitos, essa regra deverá ser repudiada por contrariar as exigências éticas e jurídicas dos direitos humanos.

Um dado muito positivo e já bem visível é que a proclamação da ONU surtiu efeito, apesar das resistências dos privilegiados e dos que tradicionalmente usam sua força econômica, política ou militar para manter privilégios. No ano de 1966 a própria ONU deu um passo avante, aprovando os Pactos de Direitos Humanos – o Pacto de Direitos Civis e Políticos e o Pacto de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais -, dotados de plena eficácia jurídica e já incorporados ao direito positivo de quase todos os povos do mundo, inclusive do Brasil. Além disso, os preceitos dos direitos humanos penetraram também nas Constituições, inclusive na brasileira, o que significa que qualquer interpretação ou aplicação de uma norma jurídica que contrarie os direitos humanos será antijurídica e inconstitucional.

Mais do que uma celebração formal, o registro dos cinquenta anos da Declaração Universal de Direitos, com todas as consequências altamente benéficas que ele já produziu, é a constatação de que a humanidade reencontrou o bom caminho. Ninguém há de ser tão ingênuo ou tão distanciado da realidade a ponto de acreditar que desapareceram as agressões à liberdade, as discriminações sociais, a marginalização e a humilhação dos mais fracos. Mas qualquer pessoa razoavelmente informada e de boa fé percebe que são muito raro os lugares do mundo em que as violências contra a pessoa humana permanecem ocultas e podem ser praticadas sem que ninguém denuncie ou proteste e sem que os violadores sejam impedidos de gozar pacificamente os resultados de sua brutalidade física ou moral.

A tentativa de manter os privilégios e as injustiças sob máscaras ditas modernizantes, como neoliberalismo, globalização e a lei do mercado, já não enganam ninguém, apesar do grande esforço feito através dos meios de comunicação de massa, por meio de teorias e comunicadores que, apesar de sua arrogância e de sua postura de donos da verdade, não conseguem esconder que são meros serviçais de dominadores egoístas e antiéticos, indiferentes às tragédias humanas e sociais que provocam. Os humanistas estão vencendo a batalha e o jurídico está fechando os caminhos ao economismo materialista, ao militarismo antidemocrático, ao desenvolvimentismo em favor dos ricos e contra os pobres, ao totalismo político.

Todos os seres humanos, mas os operadores de modo especial – magistrados, advogados, membros do Ministério Público, delegados de Polícia – devem intensificar seu trabalho em favor do direito e da justiça, sem acomodações e transigências, com otimismo, coragem e determinação, porque assim chegará mais cedo a nova sociedade, fundada no reconhecimento e na efetividade dos direitos humanos. Esse é o caminho, o único, que poderá conduzir a humanidade a uma era de respeito pela liberdade e pela dignidade de todos os seres humanos, de solidariedade, de justiça e de paz.
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar