Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

   



O tamagochi e o cuidado

    SABER CUIDAR

LEONARDO BOFF

(Importante obra de Leonardo Boff, filósofo, teólogo e cientista, editada pela Editora Vozes, sob o título SABER CUIDAR - Ética do humano - compaixão pela terra)

Abertura

 A sociedade contemporânea, chamada sociedade do conhecimento e da comunicação, está criando, contraditoriamente, cada vez mais incomunicação e solidão entre as pessoas. A Internet pode conectar-nos com milhões de pessoas sem precisarmos encontrar alguém. Pode-se comprar, pagar as contas, trabalhar, pedir comida, assistir a um filme sem falar com ninguém. Para viajar, conhecer países, visitar pinacotecas não precisamos sair de casa. Tudo vem à nossa casa via on line.

 A relação com a realidade concreta, com seus cheiros, cores, frios, calores, pesos, resistências e contradições é mediada pela imagem virtual que é somente imagem. O pé não sente mais o macio da grama verde. A mão não pega mais um punhado de terra escura, O mundo virtual criou um novo habitat para o ser humano, caracterizado pelo encapsulamento sobre si mesmo e pela falta do toque, do tato e do contato humano.  

 Essa anti-realidade afeta a vida humana naquilo que ela possui de mais fundamental: o cuidado e a compaixão. Mitos antigos e pensadores contemporâneos dos mais profundos nos ensinam que a essência humana não se encontra tanto na inteligência, na liberdade ou na criatividade, mas basicamente no cuidado. O cuidado é, na verdade, o suporte real da criatividade, da liberdade e da inteligência. No cuidado se encontra o ethos* fundamental do humano. Quer dizer, no cuidado identificamos os princípios, os valores e as atitudes que fazem da vida um bem-viver e das ações um reto agir.

 O tipo de sociedade do conhecimento e da comunicação que te­mos desenvolvido nas últimas décadas ameaça a essência humana. Porventura, não descartou as pessoas concretas com as feições de seus rostos, com o desenho de suas mãos, com a irradiação de sua presença, com suas biografias marcadas por buscas, lutas, perplexidades, fracassos e conquistas? Não colocou sob suspeita e até difamou como obstáculo ao conhecimento objetivo, o cuidado, a sensibilidade e o enternecimento, realidades tão necessárias sem as quais ninguém vive e sobrevive com sentido? Na medida em que avança tecnologicamente na produção e serviço de bens materiais, será que não produz mais empobrecidos e excluídos, quase dois terços da humanidade, condenados a morrer antes do tempo?

 Nossa meditação procura denunciar semelhante desvio. Ousa­mos apresentar caminhos de cura e de resgate da essência humana, que passam todos pelo cuidado.

 Alimentamos a profunda convicção de que o cuidado, pelo fato de ser essencial, não pode ser suprimido nem descartado. Ele se vinga e irrompe sempre em algumas brechas da vida. Se assim não fosse, repetimos, não seria essencial. Onde o cuidado aparece em nossa sociedade? Em algo muito vulgar, quase ridículo, mas extremamente indicativo: no tamagochi.

 O que é o tamagochi? É uma invenção japonesa dos inícios de 1997. Um chaveirinho eletrônico, com três botões abaixo da telinha de cristal, que alberga dentro de si um bichinho de estimação virtual.

O bichinho tem fome, come, dorme, cresce, brinca, chora, fica doente e pode morrer. Tudo depende do cuidado que recebe ou não de seu dono ou dona.

O tamagochi dá muito trabalho. Como uma criança, a todo momento deve ser cuidado; caso contrário, reclama com seu bip; se não for atendido, corre risco. E quem é tão sem coração a ponto de deixar um bichinho de estimação morrer?

 O brinquedo transformou-se numa mania e tem mudado a ro­tina de muitas crianças,jovens e adultos que se empenham em cuidar do tamagochi, dar-lhe de comer, deixá-lo descansar e fazê-lo dormir. O cuidado faz até o milagre de ressuscitá-lo, caso tenha morrido por falta de atenção e de cuidado.

 Bem disse um perspicaz cronista carioca: “solidão, seu codinome é tamagochi”. O cuidado pelo bichinho de estimação virtual denuncia a solidão em que vive o homem/a mulher da sociedade da comunicação nascente. Mas anuncia também que, apesar da desumanização de grande parte de nossa cultura, a essência humana não se perdeu. Ela está aí na forma do cuidado, transferido para um aparelhinho eletrônico, ao invés de ser investido nas pessoas concretas à nossa volta: na vovó doente, num colega de escola deficiente físico, num menino ou menina de rua, no velhinho que vende o pão matinal, nos pobres e marginalizados de nossas cidades ou até mesmo num bichinho vivo de estimação qual seja um hamster, um papagaio, um gato ou um cachorro.

 O cuidado serve de crítica à nossa civilização agonizante e também de princípio inspirador de um novo paradigma de convivialidade. É o que vamos propor no presente livro.

 Sonhamos com um mundo ainda por vir, onde não vamos mais precisar de aparelhos eletrônicos com seres virtuais para superar nossa solidão e realizar nossa essência humana de cuidado e de gentileza. Sonhamos com uma sociedade mundializada, na grande casa comum, a Terra, onde os valores estruturantes se construirão ao redor do cuidado com as pessoas, sobretudo com os diferentes culturalmente, com os penalizados pela natureza ou pela história, cuidado com os espoliados e excluídos, as crianças, os velhos, os moribundos, cuidado com as plantas, os animais, as paisagens queridas e especial­mente cuidado com a nossa grande e generosa Mãe, a Terra. Sonha­mos com o cuidado assumido como o ethos* fundamental do humano e como compaixão imprescindível para com todos os seres da criação.

 *      As palavras com asterisco (*) usadas no texto são explicadas no Glossário para facilitar a compreensão das idéias expostas no livro.


Glossário

 

Animus/anima:      expressão difundida pelo psicanalista C.G. Jung (1875—1961) para designar a dimensão masculina (animus) e feminina (anima) presentes em cada pessoa e que se reflete nos padrões culturais de comportamento.

 Androcentristno:      palavra de origem grega que designa a centralização do poder na figura do homem (andér), dominando, por isso, a mulher.

 Antrópíco, princípio: conjunto de idéias, baseadas na seguinte constatação: o fato de estarmos aqui e dizermos tudo o que dizemos, só é possível porque o universo se constituiu com tal simetria e caminhou com tal propósito que culminou no ser humano; se assim não fosse não estaríamos aqui.

 Antropóide: grupo de primatas superiores que inclui os orangotangos, gorilas e chimpanzés.

 Arquétipo:      padrões de comportamento existentes no inconsciente coletivo da humanidade, representando as experiências básicas feitas no afã de orientar sua vida. Eles emergem na consciência sob a forma de grandes símbolos, sonhos, utopias e figuras exemplares.

 Auto-organização:      organização espontânea da matéria e das energias originárias que dá origem aos seres vivos, chamada também de autopoiese*.

 Autopoiese:      autocriação e auto-organização dos seres vivos.

 Biosfera:      tudo o que vive no ar, no solo, no subsolo e no mar forma a biosfera.

Caos: Comportamento imprevisível de certos sistemas, especialmente, vivos e que possibilitam ordens novas ou diferentes; por isso diz-se que o caos não é “caótico” mas generativo.

 Cibionte: macroorganismo resultante da simbiose* e da articulação do biológico com o mecânico e o eletrônico. As sociedades atuais constituem o cibionte, pois coexistem e co-evoluem juntos os seres humanos, as sociedades, as máquinas e as redes de informação formando um todo que prolonga o processo evolutivo, agora co-pilotado pelo ser humano.

 Complementaridade, princípio: enunciado pelo físico quântico dinamarquês Niel Bohr, segundo o qual matéria e a radiação podem ser, simultaneamente, onda e partícula. As duas descrições se complementam. Esse princípio se aplica também em outros campos onde se verificam oposições, entendidas como complementares dentro do sistema global.

 Corporeidade: conceito que exprime a totalidade do ser humano enquanto é um ser vivo, parte da criação e da natureza. Não se deve confundir com corporalidade, termo da antropologia dualista que interpreta o ser humano como a união de duas panes distintas, o corpo e a alma.

 Cosmológico, princípio: hipótese segundo a qual o universo se rege pelas quatro forças* originárias da natureza, a gravitacional, a eletromagnética, a nuclear fraca e forte e mostra semelhanças em todos os lugares (é, pois, homogêneo) e em todas as direções (é, pois, isotrópico). Isso foi espetacularmente comprovado pela radiação de fundo, último eco do big bang que vem, por igual, de todas as partes do universo.

 Co-evolução: evolução conjunta dos ecossistemas com seus respectivos representantes, incluindo os sistemas sociais e técnicos.

 Cosmologia: ciência que estuda o cosmos, sua origem, sua evolução e seu propósito. Imagem de mundo que uma sociedade produz para orientar-se nos conhecimentos e para situar o lugar do ser humano no conjunto dos seres.

 Dissipativa, estrutura: mecanismos presentes nos processos de auto­organização dos seres vivos mediante os quais se dissipa a tendência natural para a desordem (entropia) e se mantém a organização deles no decorrer do tempo, graças ao fluxo de energia e de informação que os atravessa.

Ecossistema: conjunto de todos os sistemas, sejam naturais sejam técnicos, projetados pelo ser humano.

 Elementos primordiais: elementos químicos fabricados por ocasião do big bang, durante os três primeiros minutos do universo. Trata-se principalmente do hidrogênio que compõe 3/4 de toda a massa do universo e do hélio que constitui o outro 1/4 da massa, mais alguns indícios de deutério e de lítio.

 Empoderamento: tradução de empowerment em inglês que significa a criação de poder nos sem-poder ou a socialização do poder entre todos os cidadãos e reforço da cidadania ativa junto aos movimentos sociais.

 Entropia: desgaste natural e irreversível da energia de um sistema fechado, tendendo a zero; equivale à morte térmica.

 Ethos: em grego significa a toca do animal ou a casa humana; conjunto de princípios que regem, transculturalmente, o comportamento humano para que seja realmente humano no sentido de ser consciente, livre e responsável; o ethos constrói pessoal e socialmente o habitat humano; veja moral.

 Feng-shui: filosofia ecológica chinesa que procura construir, o mais adequadamente possível, um ambiente de moradia ou de trabalho humano considerando o equilíbrio de todas as energias que atuam naquele espaço.

 Flutuação: oscilação que ocorre em determinada ordem, dada a natureza de seu equilíbrio que é sempre frágil e sempre por refazer ou criar; os sistemas vivos e sociais se encontram sempre em flutuação.

 Força gravitacional: força atrativa que atua sobre as massas; é a mais universal das forças, embora a mais fraca.

 Força eletromagnética: força que atua somente sobre as partículas que têm carga; se oposta, as partículas se atraem; se semelhante, elas se repelem.

Força nuclear fraca: responsável pela desintegração dos átomos e da radioatividade. Só age a nível atômico (10-15 cm).

 Força nuclear forte: força que liga os quarks (as mais elementares das partículas) para formar os prótons e os neutrons e que liga os prótons e neutrons para formar o núcleo atômico. Ela não age sobre os fótons e os eléctrons. É a mais poderosa das forças da natureza.

 Gaia:     um dos nomes da Terra na mitologia grega. O cientista James Lovelock chamou a Terra de Gaia porque ela mostra reações e formas de equilíbrio, própria dos seres vivos. Ele seria um superorganismo vivo.

 Higino:      escravo egípcio de César Augusto, depois diretor da Biblioteca Palatina em Roma e autor da fábula-mito do Cuidado essencial, analisada em nosso livro. Morreu no ano 10 de nossa era.

 Hinduísmo:       religião, com muitas ramificações da maioria dos povos indianos, resultante de uma evolução secular do vedismo e do bramanismo, que se transformaram pela especulação filosófica e pela integração de cultos locais.

 Holismo: provém de holos em grego que significa totalidade. É a com­preensão da realidade que articula o todo nas partes e as partes no todo, pois vê tudo como um processo dinâmico, diverso e uno.

 Hominídeos: grupo da espécie dos primatas que inclui o ser humano atual (homo sapiens sapiens) e seus ancestrais diretos (homo sapiens).

 Logos: espírito, razão, estrutura de sentido (lógica).

 Massa invisível: matéria de natureza desconhecida que não emite nenhuma luz. A existência dessa massa invisível deriva dos estudos dos movimentos das estrelas e do gás nas galáxias. Calcula-se que de 90-98% da massa total do universo seja massa invisível.

 Matriarcado: veja matrifocal.

 Matrifocal: diz-se de uma cultura que tem nas mulheres (mães) o eixo e o foco de organização social. Chama-se também de matriarcal como oposto a patriarcal.

Mecânica quântira: teoria física desenvolvida nos começos do século XX que descreve as propriedades da matéria e das energias à escala subatômica. Segundo essa teoria, a matéria e a luz podem ser consideradas simultaneamente como partícula e como onda. Só podem ser descritas em termos de probabilidades. A partícula de luz é chamada de quantm de energia, donde vem o nome da teoria.

Moral: formas concretas pelas quais o ethos se historiza; as morais são diferentes por causa das culturas e dos tempos históricos diferentes. Mas todas as morais remetem ao ethos do humano fundamental que é um só.

 Morfogenético: na autopoiese* da vida não são importantes apenas os fatores físico-químicos, mas também as formas singulares que os seres assumem, pelo que se distinguem de outros dentro da mesma e comum tradição biológica.

 Noosfera: termo cunhado por Teilhard de Chardin para designar a nova fase da humanidade depois da antroposfera e da biosfera, fase caracterizada pela consciência planetária e pela responsabilidade pelo destino comum dos seres humanos e do planeta Terra.

 Nucleossíntese: formação dos núcleos atômicos através de reações nucleares, seja por ocasião do big bang (nucleossíntese primordial, responsável pelos elementos leves como o hidrogênio e o hélio), seja no coração das grandes estrelas vermelhas (onde se fabricaram os elementos mais pesados que o hélio e menos pesados que o ferro), seja nas supernovas (= morte explosiva de uma estrela que consumiu seu carburante, onde se forjaram todos os demais elementos, mais pesados que o ferro).

 Ontológico: que tem a ver com a essência, com a identidade profunda, com a natureza de um ser, como, por exemplo, o cuidado essencial com referência ao ser humano.

 Panenteísmo: literalmente significa tudo em Deus e Deus em tudo; doutrina que afirma a mútua presença das criaturas em Deus e de Deus nas criaturas; o panenteísmo supõe a diferença entre criatura e Criador, contrariamente ao panteísmo que nega essa diferença e afirma ser tudo igualmente Deus.

 Paradigma: conjunto de princípios, idéias e valores compartilhados por uma comunidade servindo de referência e de orientação; a mudança de paradigma ocorre quando surgem novas visões da realidade, como está se verificando hodiernamente.

 Pathos: capacidade de sentir, sentimento profundo; donde vem simpatia, patético, paciente.

 Simbiose: associação entre espécies vivas, beneficiando-se mutuamente; por extensão, associação entre seres vivos, sistemas sociais e má­quinas; é o que ocorre, concretamente, no funcionamento de nossas sociedades atuais.

 Sinergia: interação de todas as energias em presença, em vista da manutenção de cada ecossistema e dos indivíduos que a ele pertencem.

 Sintropia: coordenação de energias que têm por efeito diminuir a entro­pia, quer dizer, o desgaste de energia e maximalizar sua utilização.

 Sistema complexo: o conjunto de elementos interconectados entre si for­ma um sistema; ele é complexo quando os elementos são numerosos e diversos são os tipos de relação que vigoram entre eles.

 Sustentabilidade: diz-se que uma sociedade ou um processo de desenvolvimento possui sustentabilidade quando por ele se consegue a satisfação das necessidades, sem comprometer o capital natural e sem lesar o direito das gerações futuras de verem atendidas também as suas necessidades e de poderem herdar um planeta sadio com seus ecossistemas preservados.

 Tao: conceito central do taoísmo e de difícil apreensão. Pode significar o caminho do universo, das coisas e das pessoas; a energia primordial que permite fazer caminho, que tudo pervade e orienta. Quando interiorizado na pessoa significa transfiguração e união com o Todo e com tudo.

 Taoísmo: religião e filosofia originária da China (VI-V aC), baseada no Tao como se explica sob o verbete Tao. Principais representantes: Lao-tse e Chuang-tsu.

 Termodinâmica: ramo da física e da química que estuda o calor e suas transformações. Há duas leis básicas. A primeira afirma que o calor é energia, sempre constante no universo. A segunda afirma que o calor (energia) sempre tem um desgaste não mais recuperável. Chama-se entro­pia. Um sistema fechado tende a gastar toda a sua energia e estabilizar-se na morte térmica. Um sistema aberto conhece a sintropia, isto é, a capacidade de reduzir a entropia e de criar ordens menos energívoras.

 Upanishad: palavra sânscrita para designar os textos sagrados hindus, considerados revelação divina; datam do fim do período védico (700-300 aC); interpretando os Veda, insistem na necessidade de libertar-se do ciclo dos nascimentos pelo conhecimento da ilusão da realidade. 

Vácuo quântico: espaço repleto de partículas e antipartículas virtuais que aparecem e desaparecem em frações de milionésimos de segundos. Tudo sai e tudo volta ao vácuo quântico, pois é a fonte originária de tudo o que existe e possa existir na ordem de ser que conhecemos.

 Zen-budismo: forma de budismo que se difundiu no Japão a partir do século VI, acentuando o valor da meditação (zen) sem imagens, o amor à natureza e à prática dos trabalhos manuais que ajudam no auto­domínio e no autoconhecimento.


Conclusão

O cuidado e o futuro dos espoliados e da Terra  

A categoria cuidado se mostrou chave decifradora da essência humana.O ser humano possui transcendência e por isso viola todos os tabus, ultrapassa todas as barreiras e se contenta apenas com o infinito. Ele possui algo de Júpiter dentro de si; não sem razão recebeu dele o espírito.

O   ser humano possui imanência e por isso se encontra situado num planeta, enraizado num local e plasmado dentro das possibilidades do espaço-tempo. Ele tem algo da Tellus/Terra dentro de si; é feito de húmus, donde se deriva a palavra homem.

O   ser humano se encontra sob a regência do tempo. Este não significa um puro correr, vazio de conteúdos. O tempo é histórico, feito pela saga do universo, pela prática humana, especialmente pela luta dos oprimidos buscando sua vida e libertação. Ele se constrói passo a passo, por isso sempre concreto, concretíssimo. Mas simultaneamente o tempo implica um horizonte utópico, promessa de uma plenitude futura para o ser humano, para os excluídos e para o cosmos. Somente buscando o impossível, consegue-se realizar o possível. Em razão dessa dinâmica, o ser humano possui algo de Saturno, senhor do tempo e da utopia.

Mas não basta dizer tais determinações. Elas, na verdade, dilaceram o ser humano. Colocam-no distendido e crucificado entre o céu e a terra, entre o presente e o futuro, entre a injustiça e a luta pela liberdade.

Que alquimia forjará o elo entre Júpiter, Tellus/Terra e Saturno? Que energia articulará a transcendência e a imanência, a história e a utopia, a luta pela justiça e a paz para que construam o humano plenamente?

A fábula-mito de Higino nos transmite a sabedoria ancestral: é o cuidado que enlaça todas as coisas; é o cuidado que traz o céu para dentro da terra e coloca a terra para dentro do céu; é o cuidado que fornece o elo de passagem da transcendência para a imanência, da imanência para a transcendência e da história para a utopia. É o cuidado que confere força para buscar a paz no meio dos conflitos de toda ordem. Sem o cuidado que resgata a dignidade da humanidade condenada à exclusão, não se inaugurará um novo paradigma de convivência.

O   cuidado é anterior ao espírito (Júpiter) e ao corpo (Tellus). O espírito se humaniza e o corpo se vivifica quando são moldados pelo cuidado. Caso contrário, o espírito se perde nas abstrações e o corpo se confunde com a matéria informe. O cuidado faz com que o espírito dê forma a um corpo concreto, dentro do tempo, aberto à história e dimensionado para a utopia (Saturno). É o cuidado que permite a revolução da ternura ao priorizar o social sobre o individual e ao orientar o desenvolvimento para a melhoria da qualidade de vida dos humanos e de outros organismos vivos. O cuidado faz surgir o ser humano complexo, sensível, solidário, cordial, e conectado com tudo e com todos no universo.

O   cuidado imprimiu sua marca registrada em cada porção, em cada dimensão e em cada dobra escondida do ser humano. Sem o cuidado o humano se faria inumano.

Tudo o que vive precisa ser alimentado. Assim o cuidado, a essência da vida humana, precisa também ser continuamente alimentado. As ressonâncias do cuidado são sua manifestação concreta nas várias vertebrações da existência e, ao mesmo tempo, seu alimento indispensável. O cuidado vive do amor primal, da ternura, da carícia, da compaixão, da convivialidade, da medida justa em todas as coisas. Sem cuidado, o ser humano, como um tamagochi, definha e morre.

Hoje, na crise do projeto humano, sentimos a falta clamorosa de cuidado em toda parte. Suas ressonâncias negativas se mostram pela má qualidade de vida, pela penalização da maioria empobrecida da humanidade, pela degradação ecológica e pela exaltação exacerbada da violência.

Não busquemos o caminho da cura fora do ser humano. O ethos está no próprio ser humano, entendido em sua plenitude que inclui o infinito. Ele precisa voltar-se sobre si mesmo e redescobrir sua essência que se encontra no cuidado.

Que o cuidado aflore em todos os âmbitos, que penetre na atmosfera humana e que prevaleça em todas as relações! O cuidado salvará a vida, fará justiça ao empobrecido e resgatará a Terra como pátria e mátria de todos.

In: "Saber cuidar" Ética do humano - compaixão pela terra - Editora Vozes

 

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar