Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

 

Cientista político italiano define forma política da economia

12/11/01 22:28

FRANCESCA ANGIOLILLO

O cientista político italiano Antonio Negri ocupou os jornais nos anos 80 por seu suposto envolvimento com o banho de sangue terrorista nos 70. Entre as acusações contra o professor da universidade de Pádua, estava o assassinato de Aldo Moro, líder do Partido Democrata Cristão.

Absolvido do envolvimento concreto com os crimes, em 83, Negri foi acusado de incitar, com sua teoria, o terrorismo. Pediu asilo à França, onde foi professor universitário em Paris.

Por 14 anos, viveu sem nenhum documento. No período, foi julgado à revelia e sentenciado a 30 anos. Não foi por ter sido privado dos direitos de cidadão, porém, que, ele se uniu ao norte-americano Michael Hardt para falar de uma nova cidadania em "Império".

O livro, que chega ao Brasil até o fim do mês, pela Record, analisa a forma política que rege a economia globalizada. E, surpresa, a noção que usam para definir essa estrutura política é importada da Roma antiga. Para Negri e Hardt, vivemos sob o império.

Eles alertam: não se trata do velho "imperialismo ianque". Este pressupõe fronteiras a serem expandidas -e a fronteira acabou.

Parte do livro, concebido a partir de 1995, porém, foi escrita de dentro de um lugar com limites bem definidos. Em 97, Negri surpreendeu o mundo ao comunicar que voltaria a seu país. Esperava a anistia; foi levado do avião ao cárcere de Rebibbia, em Roma.

De nada adiantou explicar que as perguntas sobre sua atual situação legal -a saber, Negri hoje cumpre prisão domiciliar, tendo de ficar em casa entre 19h e 7h- serviriam para traçar seu perfil sem incorrer em imprecisões. Ele foi irredutível. "Prefiro que você erre do que falar sobre isso."

Negri falou à Folha, sobre "Império", por telefone, de sua casa, em Roma. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

Folha - Como podemos definir o império que dá título ao livro?
Antonio Negri - Quando se diz império, falamos da forma política do mercado global. Não é possível imaginar um mercado sem um poder político que o atravesse.

O conceito de império se volta para evitar a confusão com imperialismo, que era uma simples expansão do Estado-nação, enquanto o império é uma forma política que não tem confins. E, sobretudo, não tem só forças localizadas, como o Estado-nação.

O império tem uma grande vantagem teórica, que foi ter mandado pelos ares os conceitos de nação, raça, etnia. E até de povo.

Folha - O sr. acredita que as culturas locais possam ser aniquiladas pela erradicação das fronteiras?
Negri - Não. Acho que o império as está esmagando, mas tenho também a convicção de que essas culturas não possam se defender simplesmente insistindo sobre a sua individualidade. Precisamos de novas formas de solidariedade internacional, de culturas híbridas para abater o império.

Folha - Pelo que deve lutar, o que aspira o cidadão do império?
Negri - Capacidade de viver. As necessidades da vida cresceram muito. Entre o Negri do passado e o Negri que agora escreve "Império" com Michael Hardt existe uma diferença de gerações, em termos de necessidades, sensibilidades, capacidade de uso da linguagem. Quando entramos no poder do capital sobre o real, criamos situações de não-trabalho, de resistência, que possibilitam disparar contra o capital.

Folha - A greve ainda funciona?
Negri - Não falo de greve. Hoje seu cérebro é o instrumento da produção, não foi seu patrão que o forneceu. Foi você quem criou. Antes, você ia trabalhar numa fábrica e seu patrão antecipava o instrumento. Você não precisa mais disso: você transita nessa globalidade, é alguém capaz de conquistar sua própria liberdade.

Folha - As manifestações que, nos últimos anos, acompanham os encontros ligados ao capital global são sinais dessa liberdade?
Negri - Em parte. Principalmente quando pedem três coisas fundamentais: o direito de cidadania global; uma garantia de salário que possibilite viver (e, paralelamente, tudo o que está ligado à ecologia, à capacidade de respirar, comer bem); e, por fim, a possibilidade de se apropriar dos instrumentos de transformações técnicas e científicas mais altas.

Folha - Esses protestos são a semente de uma revolução global capaz de fazer frente ao império?
Negri - Não sou um profeta, mas sei que há condições enormes que se reabriram contra a globalização. A reorganização dos pobres e, acredito, até a luta de classes, que foi superada, serão retomados no bojo desse movimento.

Isto posto, resta o problema fundamental que é aquele de como tudo isso poderá se constituir em um pólo de luta pela transformação radical do que existe.

Acredito que os mecanismos de representação, aqueles da velha democracia burguesa (e também do socialismo), devem ser, de algum modo, superados. É preciso substitui-los pela expressão, vista como prática política contínua.

Folha - A ação do chamado terceiro setor e das organizações não-governamentais, que chegam a suprir responsabilidades do Estado, institucionalizam essa expressão?
Negri - Há nesses movimentos energias muito positivas, mas é preciso estar atento, porque são instrumentos que suprem o que seriam carências do capital.

Em "Império", dizemos que muitas vezes essas organizações parecem as grandes ordens mendicantes da Idade Média -os dominicanos, os franciscanos-, que, na prática, faziam caridade. Ninguém pode negar sua generosidade, mas essas ordens cobriram as necessidades imperiais. É mandatório retomar a riqueza coletiva e distribuí-la.

Folha - Uma das epígrafes do livro é uma frase da cantora Ani di Franco, que diz que, sabendo usá-la, toda ferramenta é uma arma. Qual é nossa arma ideal?
Negri-A inteligência, essa ferramenta que todos nós temos. Temos o martelo no cérebro. Temos uma arma que podemos utilizar. (Folha Online)Clique aqui para conhecer (ou comprar, se for o caso) a obra de ANTONIO NEGRI (parceria artepaubrasil)
Escritor diz que só globalização democrática combate a econômica

da Folha de S.Paulo

Para responder à globalização do capital em pé de igualdade, só mesmo a globalização da democracia. É o que afirma o norte-americano Michael Hardt, 40, que, por mais de cinco anos, trocou faxes e cartas com Antonio Negri para escrever "Império". "Ele não usa computador", conta.

"A força controladora do inimigo extrapola a de nossos governos locais. Os "protestos contra a globalização" são um esforço para abarcar essa nova forma de poder que nós chamamos império."

"Em contrapartida, acho um erro dizer que esses protestos são contra a globalização. Muitas vezes, é um erro dos próprios manifestantes. Eles são é a favor de uma forma alternativa, mais democrática, de globalização."

Mas, diz o professor da universidade Duke, "esses movimentos são o clamor por uma alternativa, e não a proposição de uma alternativa". E, frisa, seu livro, "ou qualquer outro projeto teórico", não vai trazer a alternativa.O ditado que sugere "pense globalmente, aja localmente" não serve como proposta, afirma Hardt. "Nosso argumento no livro vai na direção oposta. Essa oposição entre local e global não vale mais. Somente uma resposta global pode desafiar o império. Recusas locais só levarão a isolamento e pobreza."

Voltando a uma analogia que ele e Negri usam no livro, Hardt dá a dimensão que essa resposta teria de ter: "Se comparamos o império contemporâneo ao romano, seria algo equivalente ao surgimento do cristianismo".

Membro do departamento de literatura da Duke, o principal objeto de estudo e aulas de Michael Hardt é um livro -"O Capital", de Karl Marx.

Se, como Hardt lembra, a tradição comunista já dizia que somente uma revolução global superaria as forças do poder capitalista, seria o ideário comunista o terreno para fundamentar essa resposta hoje?

"Não queremos dizer que a alternativa viria no estilo soviético. É mais o caso de reconhecer as formas de comunismo que emergem da sociedade e as formas de não-trabalho", diz.

Apesar da "enorme admiração pelo que veio de bom" dos feitos de Fidel Castro em Cuba, ressalta que o regime da ilha é o exemplo típico de resposta local ao capitalismo global -e, comprovando o que ele dizia, "levou a população ao isolamento e à pobreza".

Ele diz não achar que haja "um mapa para dar o próximo passo". Mas, acredita, "os movimentos de protesto são indicadores de uma conexão que existe entre as pessoas de partes diferentes do mundo, de uma potencial convergência de interesses que ultrapassa situações locais".

Para Hardt, os meios de comunicação ajudam a formar uma consciência global não só reportando o crescimento do descontentamento das pessoas, mas, principalmente, fazendo a ligação entre fatos aparentemente desconexos que dizem respeito ao modo de produção capitalista.

"Parte do entrave da situação em que nos encontramos é devido à particular dificuldade que temos de fazer ligações entre as diversas instâncias do império. Isso pode ser feito por um livro como o nosso, mas pela mídia também." (Folha Online)

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar