Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


A Carta da Terra na perspectiva da educação

Para se entender o papel e o significado da Carta da Terra é necessário tomar por base o contexto dos esforços das Nações Unidas, preocupadas em identificar as questões fundamentais relativas à segurança mundial.

Quando da criação da ONU, em 1945, entre os temas da discussão, destacavam-se a paz, os direitos humanos e o desenvolvimento eqüitativo.

Durante os primeiros anos de existência da ONU, a questão ambiental ainda não se colocava como uma preocupação comum, da mesma maneira que era dada pouca atenção ao bem-estar ecológico. Não obstante, desde a Conferência de Estocolmo, sobre Entorno Humano em 1972, a segurança ecológica passou a ser a quarta preocupação principal das Nações Unidas.

A partir desse evento, identificam-se os seguintes marcos:

1987 - A Co?? missão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMAD), conhecida por Comissão Brundtland, recomendou a criação de uma nova carta ou declaração universal sobre a proteção ambiental e o desenvolvimento sustentável.

1992 - A Eco-92 iniciou o processo e chegou a um primeiro consenso sobre a "Declaração de Princípios do Rio". Formou-se uma secretaria internacional incumbida de dar prosseguimento ao projeto Carta da Terra.

1995 - Seminário Internacional sobre a Carta da Terra, realizado em Haia, na Holanda. Ali foram definidas as necessidades, os elementos principais e a forma de elaboração da Carta da Terra.

1996 - Inicia-se, com vários grupos, o processo de consulta, como parte da preparação para a Rio+5, que ocorreu no Rio de Janeiro, em 1997, cinco anos depois da Eco-92.

1997 – Durante a Rio+5 foi constituída uma Comissão da Carta da Terra. Naquela ocasião chegou-se ao texto da primeira minuta de referência, que baliza hoje as discussões em todo o mundo.

1998 ?? – Realização em Cuiabá, Mato Grosso/Brasil, da primeira conferência regional, envolvendo os países da América Latina e Caribe e da América do Norte. Essa conferência abriu o processo das sistematizações continentais.

1. CONCEITO

Baseada em princípios e valores fundamentais, que nortearão pessoas e Estados no que se refere ao desenvolvimento sustentável, a Carta da Terra servirá como um código ético planetário.

Uma vez aprovada pelas Nações Unidas por volta de 2002, a Carta da Terra será o equivalente à Declaração Universal dos Direitos Humanos, no que concerne à sustentabilidade, à eqüidade e à justiça.

O projeto da Carta da Terra inspira-se em uma variedade de fontes, incluindo a ecologia e outras ciências contemporâneas, as tradições religiosas e as filosóficas do mundo, a literatura sobre ética global, o meio ambiente e o desenvolvimento, a experiência prática dos povos que vivem de maneira sustentada, além das declarações e dos tratados intergovemamentais e não-governamentais relevantes.

Deverá ?? constituir-se em um documento vivo, apropriado pela sociedade planetária, e revisto periodicamente em amplas consultas globais.

Entre os valores que se afirmam na minuta de referência encontramos:

  • Respeito à Terra e à sua existência.
  • A proteção e a restauração da diversidade, da integridade e da beleza dos ecossistemas da Terra.
  • A produção, o consumo e a reprodução sustentáveis.
  • Respeito aos direitos humanos, incluindo o direito a um meio ambiente propício à dignidade e ao bem-estar dos humanos.
  • A erradicação da pobreza.
  • A paz e a solução não violenta dos conflitos.
  • A distribuição eqüitativa dos recursos da Terra.
  • A participação democrática nos processos de decisão.
  • A igualdade de gênero.
  • A responsabilidade e a transparência nos processos administrativos.
  • A promoção e aplicação dos conhecimentos e tecnologias que facilitam o cuidado com a Terra.
  • A educação universal para uma vida sustentada.
  • Sentido da responsabilidade compartilhada, pelo bem-estar da comunidade da Terra e das gerações futuras.

Consensualmente, entende-se que a Carta deve ser:

  • Uma declaração de princípios fundamentais com significado perdurável e que possa ser compartilhada amplamente pelos povos da todas as raças, culturas e religiões.
  • Um documento relativamente breve e conciso, escrito com linguagem inspiradora.
  • Ela deve ser clara e significativa.
  • A articulação de uma visão que reflita valores universais.
  • Uma chamada para a ação, que agregue novas dimensões significativas de valores às que já se encontram expressas em outros documentos relevantes.
  • Uma Carta dos povos que sirva como um código universal de conduta para pessoas, para instituições e para Estados.

2. PROCESSO DE CONSULTA

O processo mundial de consulta busca resgatar esforços anteriores inconclusos, para definir uma Carta da Terra, chegando à versão final que será entregue à ONU.

Os processos de consulta nacionais estão unindo organizações e instituições governamentais e não-governamentais de diferentes setores que influem no desenvolvimento sustentado.

As consultas têm os seguintes objetivos:

  • Fundamentar a Carta da Terra nos valores de culturas, de religiões, de setores e de grupos diversos da sociedade civil.
  • Ampliar a conscientização e melhorar a compreensão dos assuntos relat?? ivos à esfera de preocupação da Carta da Terra.
  • Dar oportunidade às pessoas de comprometerem-se pessoal e coletivamente com o desenvolvimento sustentado, abrangendo uma variedade de abordagens e perspectivas.
  • Desenvolver uma ampla apropriação pública da Carta da Terra.
  • Formar um movimento de afirmação ética mundial, que possibilite concretamente a vivência dos princípios e valores da Carta da Terra.

O processo da Carta da Terra está estruturado da seguinte forma:

Comissão Internacional, composta por 23 membros representando as regiões da África e Oriente Médio, América Latina e Caribe, América do Norte, Ásia e Pacífico, e Europa

Comitê Executivo Internacional, composto por 5 membros, sendo 1 de cada região, respectivamente: Amadou Toumani Touré (África), Mercedes Sosa (América Latina), Maurice Strong (América do Norte), Kamla Chowdhry (Ásia) e Mikhail Gorbachev (Europa)

Secretariado Internacional, com sede em San José, Costa Rica, no Conselho da Terra.

Equipe Internacional de Redação, sob a coordenação de Steven Rockefeller.

Equipe Internacional de Apoio, composta por organizações não-governamentais de abrangência mundial.

Comissões Executivas Continentais, compostas por representantes das Comissões Nacionais, em cada região.

Comissões Nacionais, compostas por organizações governamentais e não-governamentais em cada país.

Estruturas locais, criadas pelas Comissões Nacionais, a partir da realidade organizacional de cada país.

Conferências Temáticas, organizadas em nível local, nacional ou mundial para promover a consulta dentro de algum setor específico, ampliando a participação do maior número possível de pessoas na elaboração da Carta da Terra.

< Volta?? r

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar