Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

        

III. Legislação Doméstica

 

52. Vinte Estados no mundo possuem Constituições que, mais ou menos explicitadamente e em mais ou menos detalhes, fazem referência ao direito à alimentação ou a uma norma relacionada.[1] Uma das normas mais explícitas é aquela contida na Constituição Cubana, que estipula no seu artigo 8º: “... através do poder das pessoas e através da vontade das pessoas ... nenhuma criança deve ser privada de educação, alimentação ou habitação.” Nenhum Estado, contudo, implementou ainda leis domésticas consistentes assegurando proteção efetiva ao direito à alimentação para sua população, e especialmente para os grupos mais vulneráveis, como as mulheres, crianças e minorias étnicas.

 

53. O que a proteção efetiva ao direito individual e coletivo à alimentação através de legislação doméstica significa? O Comitê dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais dá uma resposta no seu Comentário Geral n.º 12, nos seguintes termos: “Os Estados devem considerar a adoção de uma lei estruturada como um instrumento maior de implementação de uma estratégia nacional a respeito do direito à alimentação. A lei estruturada deve incluir provisões em seu propósito; os alvos ou metas a serem atingidos e o tempo que deve ser estabelecido para o alcance desses alvos; os meios através dos quais o próposito pode ser atingido descrito em termos amplos, particularmente a intencionada colaboração com a sociedade civil e o setor privado e com as organizações nacionais; responsabilidade institucional para o processo; e os mecanismos internacionais para seu monitoramento, assim como também procedimentos de recursos. Ao desenvolverem os modelos e legislação estruturada, os Estados-parte devem envolver ativamente as organizações da sociedade civil.” (HRI/GEN/1/Rev.4, pp. 62-63, para. 29)

 

54. A todo direito deve ser dada a garantia de um remédio. O direito à alimentação, para ser efetivo, não é uma exceção. Como posto novamente no Comentário Geral n.º 12:

 

“Qualquer pessoa ou grupo que seja uma vítima da violação do direito a alimentação adequada deve ter acesso a remédios judiciais efetivos ou outros apropriados em ambos os níveis nacional e internacional. Todas as vítimas de tais violações têm o direito a reparação adequada, que devem ter a forma de restituição, compensação, satisfação ou garantias de não-repetição...

 

A incorporação na ordem legal doméstica dos instrumentos internacionais, reconhecendo o direito à alimentação, ou  reconhecimento de sua aplicabilidade, pode significamente acentuar o alcance e a efetividade de medidas que remediem e deve ser encorajada em todos os casos. As Cortes serão, então, autorizados a julgar violações no cerne do conteúdo do direito à alimentação através de referência direta às obrigações dispostas no Tratado.

 

Juízes e outros membros da profissão legal são chamados a prestar atenção mais notável às violações do direito à alimentação no exercício de suas funções.

 

Estados-parte devem respeitar e proteger o trabalho dos advogados de direitos humanos e outros membros da sociedade civil que assistem grupos vulneráveis na realização de seu direito à alimentação adequada.” (Ibid., p. 63, paras. 32-35).

 

55. Um componente do mandato do Relator Especial diz respeito à assitência do esboço de legislação doméstica no direito à alimentação. De que modo o Relator Especial pode ocupar-se disto? Vários métodos são possíveis, nenhum deles exclui os demais.

 

56. Conferências nacionais parecem ser um meio útil aos Governos para estabelecer a cena para a preparação dos planos de ação nacionais de combate à fome. Um exemplo deste método foi providenciada recentemente pelo República Demócratica da Argélia do Povo. De 28 a 30 de outubro de 2000, o Governo da Argélia organizou a primeira Conferência Nacional para Combater a Pobreza e a Exclusão, sob a direção do Presidente da República. Todas as agências das Nações Unidas e as principais organizações não-governamentais internacionais representadas na Argélia (e em Magreb no geral) participaram da Conferência, em sua preparação e em  seus seminários e  sessões plenárias. Todos os ministros, a maioria dos deputados e senadores, uma parte considerável de altos oficiais, especialmente os prefeitos – os Walis – e seus assistentes principais, assim como muitos representantes da sociedade civil participaram de forma ativa dos debates. A conferência proveu uma oportunidade de elaborar um quadro realista da situação social e, portanto, também da situação relacionada à alimentação na Argélia. Conferências como estas podem ser consideradas uma preliminar útil para qualquer debate parlamentar na legislação doméstica com relação ao direito à alimentação. Nenhum Parlamento é efetivo a menos que seja sustentado por opinião pública ativa e bem-informada.

 

57. Muito Governos têm uma tendência natural em direção à indiferença ou pior ainda disfarçam ou carecem de transparência. Nenhum Governo no mundo jamais gosta de admitir publicamente os problemas de alimentação, as dificuldades de fornecimento, ou doenças e deficiências que afetam parte de sua população. As autoridades públicas têm que mostrar determinação e coragem para convocar uma conferência nacional. Em outubro de 2000, o Governo da Argélia mostrou tal coragem, adotando um plano nacional de ação no combate à pobreza e à exclusão.

 

58. A Comissão de Direitos Humanos poderia ser descrita como a consciência moral do sistema das Nações Unidas. Em sua resolução 2000/10, ela solicita o Relator Especial a lidar com  “a realização do direito à alimentação”. O Relator Especial recebeu informações de um número de organizações não-governamentais relatando particularmente casos flagrantes de violações do direito à alimentação em vários países. Depois de estudar esses relatórios, ele solicitou mais detalhes e elucidações. Ele, depois, escreveu aos Governos interessados, chamando sua atenção às alegações feitas contra eles e solicitando substanciais respostas. As alegações diziam respeito a Honduras, Myanmar e Palestina em particular. O Relator Especial será capaz de relatar às Comissões uma vez que tenha recebido respostas dos Governos interessados.

 

59. Durante os dois próximos anos, o Relator Especial gostaria de ser convidado por aqueles Governos para visitar seus países de forma a assistir as autoridades, instituições e parceiros sociais para promover a legislação doméstica e planos de ação nacionais a favor do direito à alimentação.

 

60. O que se entende exatamente por legislação doméstica? O Comentário Geral n.º 12 refere-se à expressão “lei estruturada” (ver parágrafo 52 acima). O Relator Especial acredita  que seria mais realista adotar um método diferente. Situações econômicas, sociais, culturais e, portanto, nutricionais tendem a ser extremamente variadas e mudam de um país para outro. Tentando adotar uma lei estruturada, certamente irá de encontro a obstáculos quase insuperáveis. Haveria o risco de uma lei estruturada falhar, alternada ou simultaneamente, em diversas tentativas: ela poderia falhar em compreender ou estabelecer os problemas experimentados pelas pessoas no cotidiano de suas vidas, ou ela poderia promulgar soluções legislativas que estão mal-adaptadas à real experiência social, ou, ainda, ela  poderia impor padrões que o Estado seria praticamente incapaz de fazer cumprir.

 

61. Muito mais efetivo que passar uma lei estruturada seria o seguinte método: o Relator Especial ajudaria os Governos, instituições e parceiros sociais a identificar situações sociais, costumes e estratégias governamentais que previnam a plena realização do direito à alimentação. Em um país predominantemente rural, o obstáculo principal poderia ser seu sistema desigual de direitos de terra; em um outro caso, ele poderia ser a ínfima renda de parte da população (que poderia ser remediada através da redistribuição tributária e de subsídios para os alimentos básicos), etc. Dependendo do tipo de situação social que encontrasse, o Relator Especial poderia em seguida defender soluções legislativas selecionadas, especialmente com uma visão de eliminar obstáculos econômicos, sociais e culturais em cado caso para a realização do direito à alimentação.

 

62. O Relator Especial, não obstante, tentará fornecer os Parlamentos nacionais e regionais com um esboço adequado de um manual básico, imutáveis procedimentos legislativos (como matérias relacionadas a jurisdição competente, recursos, etc.) que devem ser considerados com relação ao direito à alimentação. Este manual seria planejado ao longo das linhas do prático e muito didático Manual para Parlamentares nos princípios gerais do e no respeito ao direito humanitário internacional, juntamente publicado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC) e da União Inter-Parlamentar.[2]

 

63. Em Gênova, o Relator Especial encontrou o Secretário Geral da União Inter-Parlamentar (IPU). A IPU, que foi fundada em 1889, não é apenas uma das mais antigas organizações intergovernamentais do mundo, mas também uma das mais dinâmicas e mais eficientes. Desde a sua 104ª Conferência Inter-Parlamentar (Jakarta, 2000), ela abrangeu 104 parlamentos nacionais e cinco organizações parlamentares regionais associadas. A IPU assinou acordos de cooperação com praticamente todas as agências-líderes das Nações Unidas, e com o Escritório do Alto Comissariado de Direitos Humanos. Seu objetivo primordial é fortalecer instituições democráticas e promover princípios democráticos nos sistemas políticos nacionais.[3]

 

64. Os Parlamentos atuam através de ação normativa e troca de informações. A IPU provê uma grande quantidade de assistência internacional muito competente. Muitas de suas atividades têm um propósito didático e participam de muitos níveis. A Conferência Inter-Parlamentar, que ocorre duas vezes por ano, é freqüentada por aproximadamente 700 parlamentares e constitui o principal orgão de expressão política da IPU. Encontros de mulheres parlamentares discutem, especialmente, o esboço e a implementação de leis que combatam discriminação social, econômica e cultural contra as mulheres.

 

65. O programa de cooperação técnica da IPU, seus encontros de trabalho, em Gênova ou nos escritórios centrais nacionais dos Parlamentos membros, e os cursos de treinamento organizados pela IPU para Presidentes, mulheres parlamentares, Secretários-Gerais, assistentes parlamentares e deputados, seriam um ideal estabelecido para promover uma legislação doméstica no direito à alimentação como previsto no Comentário Geral n.º 12. Matéria para aprovação da Comissão, a IPU e o Relator Especial poderiam redigir um programa específico para 2001 – 2002; o Relator Especial teria, então, a oportunidade de promover o direito à alimentação em todos os encontros, seminários internacionais e nacionais ou projetos de assistência técnica organizados pela IPU para parlamentares nacionais e internacionais.

 

66. Na sua tarefa de auxiliar a legislação doméstica e planos nacionais de ação, o Relator Especial visitará agências especializadas, principalmente FAO. No cumprimento de seu mandato, a cooperação da sociedade civil (através de movimentos sociais, organizações não-governamentais, uniões de comércio, partidos políticos, igrejas, organizações humanitárias, universidades, etc.) também será essencial.



[1] Veja “O Direito à alimentação nas constituições internacionais”, em FAO, O direito à alimentação na teoria e na prática, Roma, 1998, pp. 42-43 (Inglês apenas). 

[2] União Inter-Parlamentar e Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Respeito à Lei Humanitária Internacional, Manual para Parlamentares n.º 1, 1999, Geneva, IPU e ICRC, 1999, 104 páginas.

[3] Veja os parágrafos 6 e 7 da Declaração Universal para a Democracia adotada pela Conferência Geral da União Inter-Parlamentar (Cairo, 11-16 de Setembro de 1997). O texto da Declaração aparece em documento A/52/437, Anexo IV.

 

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar