Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Intimidação pela tortura

O emprego sistemático da tortura foi peça essencial da engre­nagem repressiva posta em movimento pelo Regime Militar que se Implantou em 1964. Foi, também, parte integrante, vital, dos proce­dimentos pretensamente jurídicos de formação da culpa dos acusados.

A Justiça Militar brasileira, conforme demonstrado nesta pes­quisa do Projeto BNM, tinha plena consciência da aplicação roti­neira de sevícias durante os inquéritos, e ainda assim atribuía vali­dade aos resultados destes, apoiando neles seus julgamentos. Con­forme foi visto nos últimos capítulos, essa foi a postura quase invariável do Judiciário nos processos por crimes políticos, das Auditorias ao STM, havendo episódios em que o próprio STF se subjugou com atitudes omissas e até mesmo coniventes.

O início desta reportagem já focalizou, à maneira de choque, alguns aspectos terríveis dessa moléstia punitiva que tomou conta das mentalidades militares e policiais brasileiras, no enfrentamento daqueles que ousaram recusar o credo da Segurança Nacional.

Os capítulos seguintes mostrarão, numa seqüência organizada de forma a revelar um crescendo na gravidade das conseqüências, outras dimensões dessa abominável arma de pressão e subjugação. Arma que representava, na verdade, a base da pirâmide do autorita­rismo e do sistema de imposição da vontade absoluta dos gover­nantes. No topo existiam os Atos Institucionais, o SNI, o Conselho de Segurança Nacional, as altas esferas de poder. Na porção inter­mediária da pirâmide, toda a estrutura jurídico-política de repressão e controle: LSN, Lei de Imprensa, inúmeros instrumentos legais de exceção. Pouco acima da base, a Justiça Militar “legalizando” as atrocidades dos inquéritos, ignorando as marcas e laudos das tortu­ras, transformando em decisões judiciais aquilo que os órgãos de segurança arrancavam dos presos políticos mediante pressões que iam da intimidação para que confessassem, até ao limite dos assas­sinatos seguidos de desaparecimento dos cadáveres.

Como primeiro passo desta nova seqúência de relatos, serão foca­lizados os testemunhos de presos políticos a quem foram exibidas pessoas torturadas como forma de pressão para que declarassem aquilo que as autoridades militares e policiais pretendiam.

A assistente social Ilda Brandle Siegl, de 26 anos, declarou em seu depoimento no Rio, em 1970:

(...) (o) que mais influiu no ânimo da depoente foi o fato de ser mostrado a ela um rapaz, que hoje sabe ser Flávio de Melo e que se encontrava arroxeado no braço e com o rosto inchado, e disseram à depoente que, só não concordasse em colaborar, ficaria igual a ele; (...) que disseram a ela que a tortura ali era cientifica, não deixava marca; que foi espari­cada e despiram a depoente e provocaram choques elétricos; que, enquanto um aplicava choque, o Dr. Mimoso abanava a depoente para que a mesma não desmaiasse; que havia pausa a critério médico; que aplicaram choques nos seios, no um­bigo e na parte interna das coxas; que, após, foi jogada numa cadeira, já que não podia ficar de pé; (...)

No mesmo ano, e também na 1ª Auditoria da Marinha do Rio, a estudante Iná de Souza Medeiros, de 21 anos, contou ao Conselho de Justiça:

(...) que, após, trouxeram Milton despido, pendurado no pau-de-arara, para que a declarante visse o seu estado e dizendo que, com ela, fariam a mesma coisa e, constantemente, os torturadores proferiam nomes contra Milton e a declarante; (...) que essas moças levaram ferro na unha, choque elétrico e tentativa de afogamento que consistia em tapar o nariz da pessoa e jogar água em cima; (...)

A fim de propiciarem essa visão aterrorizadora aos prisioneiros políticos, os autores das sevícias chegaram ao requinte de promover, em dependências policiais e militares, reformas sofisticadas, como o caso do vidro a que se refere, em seu depoimento, o estudante Manuel Domingos Neto, de 22 anos, ouvido em 1972, em Fortaleza:

(...) Que teve oportunidade de ver, por intermédio de um vidro existente em uma dependência da Delegacia Regional, vidro esse que permite ao observador ver sem ser visto, que a acusada Rosa Maria Pereira Fonseca, que se encontrava no interior daquela dependência, estava em estado de convulsão; que o interrogando atribui que Rosa chegou a esse estado em virtude de torturas pela mesma sofridas na referida Delegacia; que lhe foi proporcionada essa visão com o evidente in­tuito de atemorizar o interrogando; (...)

Houve situações em que as torturas não conseguiram romper o silêncio a que se impôs a vítima. O último recurso era tentar fazer com que um prisioneiro convencesse o outro a falar, como o comprova a carta ao juiz-auditor de São Paulo, escrita por Marlene de Souza Soccas, de 35 anos, dentista, em 1972:

(...) Supunham que eu estivesse ligada a Marcos Sattamini Pena de Arruda, geólogo, que há mais de um mês vinha sendo torturado. Levaram-me à sala de torturas e um dos torturadores, Capitão do Exército, avisou: “Prepare-se para ver entrar o Franksteín”. Vi aquele cidadão entrar na sala com o passo lento e incerto, apoiando-se numa bengala, uma das pálpebras caídas, a boca contorcida, os músculos do abdômen tremendo constantemente, incapaz de articular bem as palavras. Ele havia ficado hospitalizado entre a vida e a morte, após o vio­lento traumatismo que sofreu nas torturas. Disseram: “Obri­gue-o a falar porque a Gestapo não tem mais paciência e, se um de vocês não falar, nós o mataremos e a morte dele será de sua responsabilidade”. Não falamos, não por heroismo, mas porque nada tínhamos a falar. (...)

O depoimento do técnico em contabilidade João Manoel Fer­nandes, de 22 anos, no Rio, em 1970, demonstra como os cárceres brasileiros abrigavam um coletivo de estropiados:

(...) que, na Ilha das Flores, quando lhe colocaram em con­tato com os presos, encontrou uma situação de verdadeiro terror; que Nielse (...) estava com o braço na tipóia completamente roxo, em virtude de ter sido colocado em “pau-­de-arara”, onde lhe jogavam jatos de água na cabeça e davam choques em partes sensíveis do corpo; que Rogério, o qual conheceu na Ilha das Flores, em virtude dos espancamentos e em virtude dos choques elétricos, estava com hemorróidas; que Martha Motta Lima, a qual conheceu também na Ilha das Flores, estava com o dedo da mão quebrado, em virtude de palmatória; que Rui Cardoso de Xavier, o qual veio a conhecer na Ilha das Flores, estava todo (...) com abdômen todo enfaixado, em virtude dos espancamentos recebidos; que dava para perceber o estado de completo abatimento e (...) tudo isso provocado pelas torturas físicas e pela ameaça cons­tante de ser torturado e até ameaçado de perder a própria vida; (...)

Descrição semelhante encontra-se no auto de interrogatório e qualificação do engenheiro José Milton Ferreira de Almeida, de 32 anos, ouvido em São Paulo, em 1976:

(...) que, pior do que tudo isso, foi passar dias inteiros, por vários dias, vendo e ouvindo várias pessoas serem tortu­radas, crucificadas, penduradas nos registros das celas, espan­cadas nos corredores, gritando numa agonia indescritível; que viu pais e filhos sendo torturados, esposos e esposas serem também torturados e um sendo obrigado a torturar o outro; que viu velhos de quase 70 anos serem praticamente espan­cados e chegarem ao ponto de debilitamento total; que essas coisas que diz agora são uma síntese do que viveu; (...)

Nos autos dos processos, a Justiça Militar brasileira consignou outros depoimentos de réus que se viram intimidados pelo estado lastimável de outras vítimas da tortura:

(...) que declara ainda que não conhece os outros acusados, com exceção dos já citados, fazendo uma ressalva à Dulce Chaves Pandolfi, a qual lhe foi apresentada na Polícia do Exér­cito em estado deplorável e foi obrigado, o declarante, a reco­nhecê-la; (...) (Depoimento de Jorge Raimundo Júnior, 23 anos, estudante, Rio, 1972).

(...) Começou a interrogar-me. Visto que eu nada podia adian­tar-lhe, por nada saber do que era perguntado, nesse momento mandou virem à minha presença, para acareação, o Cel. Carlos Gomes Machado e o Ten. Atílio Gerimos, que haviam sido presos já há alguns dias. Esses dois colegas estavam em esta­do lastimável, pois vinham sendo torturados desde que ali haviam chegado; (...) (Relato ao juiz-auditor do 1º Tenente PM José de Araújo Cavalcanti, 67 anos, S. Paulo, 1975).

(...) que um outro policial empurrou o interrogando dizendo-lhe: “fala logo”; que, em seguida, chegou o Delegado Fleury dizendo que logo o interrogando ia saber do que se tratava, isto porque o interrogando alegava não saber o que estava havendo; que foi levado para uma sala onde encontrou Frei Ivo e Frei Fernando apresentando sinais de espancamentos, com os rostos bastante inchados, em estado de semi-inconsciência, quase irreconhecíveis; (...) (Auto de interrogatório de Nestor Pereira da Mota, 29 anos, professor, S. Paulo, 1970). (...) que foi preso no dia dez de setembro, em sua casa, e levado para a Operação Bandeirantes; que, ao entrar na viatura que o conduziu, começou a ser tratado de maneira a mais violenta; que, ao cabo de algum tempo, acesas as luzes da viatura, mandaram que o interrogando olhasse para trás, quando viu Wilson Palhares caído ao fundo, apresentando aspecto que o interrogando descreve como de farrapo huma­no; que disseram ao interrogando que ele assim ficaria se não confessasse; (...) (Auto de interrogatório de Luís Anto­nio Maciel, jornalista, S. Paulo, 1970).

(...) Depois de toda essa guerra psicológica, como se não bastasse, ainda trouxeram à minha presença o Padre Gerson e Lúcio Castelo Branco, ambos colegas de serviço do meu marido, para que eu visse o seu estado em que se encontra­vam, podendo verificar que os dois referidos acusados apre­sentavam um estado físico precário, sendo que Lúcio Castelo Branco dava a impressão de um retardado mental, não con­catenando as expressões e nem sequer andando direito, en­quanto o Padre Gerson se queixava de dores (ilegível) em conseqüência do espancamento que tivera. A tudo isso o Dr. Rangel mostrava-se indiferente, procurando atemorizar-me mais ainda, descrevendo as torturas que tinham usado, afir­mando que eu, como mulher, não agüentaria. (...) (Carta, a seu advogado, de Rosa Maria Pires de Freitas, Rio, 1971).

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar