Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

O Parlamentar e os Direitos Humanos, Manual
Manual de orientação ao parlamentar municipal, estadual e federal para a atuação em defesa dos direitos humanos e da cidadania
Deputado Orlando Fantazzini


COMO CONSTRUIR PROGRAMAS DE DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS?

As comissões legislativas de direitos humanos e os parlamentares também têm o papel de contribuir com a formulação de políticas públicas em direitos humanos. O Brasil possui um Programa Nacional de Direitos Humanos, o PNDH II, que possui metas e ações em diversos temas em direitos humanos.

É desejável que Estados e Municípios tenham seus próprios programas de direitos humanos e programas específicos que envolvam a defesa e ampliação dos direitos civis, políticos, econômicos, culturais e sociais. Para isso, a atuação parlamentar deve incentivar que os programas governamentais na área dos direitos humanos garantam:

Formulação e Gestão democrática: A formulação e gestão dos programas governamentais devem contemplar o envolvimento de diversos setores da sociedade. Para isso, as Administrações Públicas devem contar com mecanismos de participação popular como conselhos, fóruns de gestão participativa, tanto nas políticas setoriais (saúde, educação, moradia, cultura, segurança alimentar) como na execução dos orçamentos públicos. É importante também que os mecanismos contemplem a participação de cidadãos individualmente e aqueles organizados em entidades civis.

Ações e projetos de combate à discriminação: A igualdade entre as pessoas é direito básico, presente já nos primeiros instrumentos internacionais de proteção aos direitos humanos. A vida é para ser vivida por todos de forma plena e com liberdade. Isso significa a proibição de qualquer tipo de discriminação por motivo étnico, gênero, orientação sexual ou credo religioso. Os gestores públicos e as instituições deverão prever ações e políticas públicas a fim de garantir a igualdade entre as pessoas. Para esse fim, a tendência contemporânea é tratar as diferenças desigualmente, como, por exemplo, estabelecer políticas especiais inclusivas e afirmativas dos grupos sociais mais vulneráveis e discriminados.

Políticas e ações com a marca dos direitos humanos: Os direitos humanos são indivisíveis. Isso quer dizer que não pode haver hierarquia entre os direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais. Todas essas dimensões de direitos são necessárias ao desenvolvimento humano. Os direitos reforçam-se uns aos outros. Assim, é preciso que cada política pública tenha enfoque nos direitos humanos. O órgão público poderia criar, por exemplo, uma espécie de “selo” dos direitos humanos, que representaria uma concordância com os procedimentos e princípios daquela política ou ação. O selo expressaria que os princípios dos direitos humanos foram atendidos.

Indicadores sociais e de direitos humanos: Não há como planejar e executar políticas públicas sem dados, informações e indicadores sociais. Alguns estados e municípios possuem algum tipo de produção de indicadores. Nesses locais, é possível saber-se quais os maiores problemas econômicos, onde residem as populações mais pobres, quais os horários e locais de maior violência, principais demandas sociais, etc. Todos os estados e municípios devem procurar produzir e organizar seus indicadores sociais. Muitas vezes simples pesquisas e levantamentos já são suficientes para fornecer uma boa radiografia da realidade local.

Integração e complementação das iniciativas governamentais: Um fator de sucesso das políticas públicas costuma ser a existência de complementação e integração dos entes da federação, os Municípios, os Estados e a União. Muitas vezes, um programa nacional é criado, mas precisará de apoio do ente federado para ser viabilizado. Outras vezes, existe um determinado programa estadual ou nacional, mas o município cria outro muito semelhante, o que gera dispersão de recursos públicos e dificuldades na gestão.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar