Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Direitos Humanos e Cidadania
Sociedade Catarinense de Direitos Humanos

IX

Continuando, vejamos o que estabelece o Artigo IX da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Artigo IX

Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.”

Veja o Artigo 5º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Novamente, o principio da legalidade é invocado pelo estatuto declaratório, enquanto instrumento abstrato de garantia de que qualquer comando jurídico que imponha comportamento forçado há de provir de regra geral, significando irrestrita submissão e respeito à lei.

Decorre daí, o princípio da reserva legal, de natureza concreta, que circunscreve o comportamento pessoal de cada um aos limites impostos pela lei formal.

Tanto a intangibilidade física como a incolumidade moral das pessoas sujeitas à custódia do Estado, são garantidas através do Inciso XLIX do Artigo 50 da Constituição Federal

O principio do juiz natural, já abordado anteriormente, também se faz presente neste dispositivo declaratório, assim como o principio do devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório, todos contemplados em diversificados momentos do Artigo 5º da Constituição Federal, sempre com o intuito de evitar a arbitrariedade como preconizado no texto internacional.

Embora o principio geral seja o da liberdade, aliado ao principio da presunção de inocência, ou melhor, da presunção da não culpabilidade, a Constituição Federal, munida de diversos dispositivos que tutelam esses preceitos básicos em um Estado de Direito, estabelece no próprio Artigo 5º as exceções, em caráter excepcional e taxativo, quais sejam: o flagrante delito, e a ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente. Todavia, a realidade é bem outra, revelando-se permeada de violência e abuso de autoridade.

“É antiga praxe no Brasil efetuar a prisão arbitrária de pessoas, o que em si mesmo já é uma violência. Essas prisões ocorrem muitas vezes por manifesto abuso de autoridade, baseadas em simples suspeita, não sendo exagero afirmar que para muitos policiais brasileiros ‘todo indivíduo negro e pobre é suspeito até prova em contrário’. São também muito comuns as detenções arbitrárias rotuladas de ‘prisão para averiguações’, sem nenhum fundamento legal. Em todos esses casos, o detido ou preso é submetido a violências físicas e humilhações, sendo forçado a permanecer encarcerado em condições degradantes. incompatíveis com a dignidade da pessoa humana.”

(Dalmo de Abreu Dallari — Direitos Humanos: conquistas e desafios)

Existem cinco espécies de prisão no direito brasileiro, todas em que a titularidade para a decretação, após a Constituição de 1988, são da exclusiva competência do Poder Judiciário: a prisão penal; a prisão processual; a prisão administrativa; a prisão civil e a prisão disciplinar.

A prisão, enquanto materialização da privação da liberdade humana, passou a ser questionada efetivamente a partir do final do século XVIII, sendo que essa critica adquiriu maior veemência no início do século XIX, até que, no século XX, passou a ser efetivamente combatida como medida incapaz de proporcionar tanto a promoção da justiça, como a satisfação da sociedade, ou mesmo a reinserção social do condenado, transcendendo assim ao simples castigo ou punição, para se tornar um instrumento de reprodução do sistema de opressão do Estado, dos poderosos e das classes dominantes.

“A prisão, peça essencial no conjunto das punições, marca certamente um momento importante na história da justiça penal: seu acesso à humanidade. Mas também um momento importante na história desses mecanismos disciplinares que o novo poder de classe estava desenvolvendo: o momento em que aqueles colonizam a instituição judiciária.”

“O atestado de que a prisão fracassa em reduzir os crimes deve talvez ser substituído pela hipótese de que a prisão conseguiu muito bem produzir a delinqüência... O sucesso é tal que, depois de um século e meio de ‘fracassos’ a prisão continua a existir, produzindo os mesmos efeitos e que se têm os maiores escrúpulos em derrubá-las.”

(Michel Foucault — Vigiar e Punir)

O exílio, tal como pena com vistas a transferir réu brasileiro condenado - inclusive por razões políticas - do território nacional para além, sequer foi cogitado pelo legislador constitucional de 1988.

“O Código Penal em sua redação original previa o ‘exílio local’ como uma das espécies de medida de segurança não detentiva (art. 88 —Parágrafo Segundo —III). Consistia ele na proibição de residir ou permanecer o condenado, durante um ano, pelo menos, na localidade, município ou comarca em que o crime foi praticado (art. 97). A reforma da Parte Geral do CP. instituída com a Lei n. 7.209 de 11.07.1984. extinguiu essa categoria de sanção por considerá-la objetivamente infamante.”

(René Ariel Dotti - Declaração Universal dos Direitos do Homem e notas da legislação brasileira)

Entretanto, a extradição, é assistida pela Constituição Federal, no sentido de atender, não só como simples referência, ô proposição da Declaração Universal dos Direitos Humanos, mas também para socorrer a excepcionalidade da comprovação de envolvimento - ausente o termo condenação - em tráfico ilícito de entorpecentes e ocorre mediante a seguinte definição:

“Extradição é o ato pelo qual um Estado entrega um indivíduo, acusado de um delito ou já condenado como criminoso, à justiça do outro, que o reclama, e que é competente para julgá-lo e puni-lo.”

(Hildebrando Accioly - Manual de Direito Internacional Público)

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar