Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Direitos Humanos e Cidadania
Sociedade Catarinense de Direitos Humanos

X  

Passemos a analisar o Artigo X da Declaração Universal dos Direitos Humanos,

Artigo X

Toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir de seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.”

Releia o Artigo 5º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Mais uma vez é invocado o principio da igualdade na Declaração Universal dos Direitos Humanos, agora unido à independência, e à imparcialidade perante a justiça, com vistas a garantir decisão emanada de um tribunal, acerca de qualquer acusação criminal que pese contra qualquer indivíduo.

O Artigo 50 da Constituição Federal absorve e garante esse postulado declaratório, abrigando o principio da segurança jurídica (incisos XXXVI a LXXIII), indo mais além, estabelecendo a obrigatoriedade de apreciação do Poder Judiciário quanto às matérias que lhe são submetidas, garantindo também, com o principio do juiz natural, a inexistência de tribunais de exceção.

Reconhece ainda a instituição do júri para julgamento dos crimes dolosos contra a vida, assegurando também a plena defesa, inclusive o sigilo das votações, bem como a soberania dos veredictos.

“A instituição do Júri, de origem anglo-saxônica. é vista como uma prerrogativa democrática do cidadão, que deverá ser julgado por seus semelhantes. apontando-se seu caráter místico e religioso. pois tradicionalmente constituído de 12 membros em lembrança dos 12 apóstolos que haviam recebido a visita do Espírito Santo.”

(Alexandre de Moraes — Direitos Humanos Fundamentais)

Mais modernamente, a instituição do Júri abriga uma conformação um tanto diferente, principalmente com vistas a atender às exigências processuais, mantidas, entretanto, as premissas elencadas, tanto na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como na Constituição Federal.

“O Júri é um tribunal popular, de essência e obrigatoriedade constitucional. regulamentado na forma da legislação ordinária, e. atualmente, composto por um Juiz de Direito, que o preside, e por 21 jurados. que serão sorteados entre cidadãos que constem do alistamento eleitoral do Município. formando o Conselho de Sentença com sete deles.”

(Pinto Ferreira — Comentários à Constituição Brasileira)

Além disso, a Constituição Federal consagra como pressupostos dessa garantia declaratória, o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada. ou seja. esta última a decisão judicial da qual não caiba mais recurso, princípios definidos através de normas infraconstitucionais.

“A Declaração é expressa: - assegura a qualquer pessoa direito de audiência junto ao poder judiciário, que é independente e imparcial. não só por torça da investidura de seus membros, na carreira, por concurso de títulos e provas, mas também por pertencer a um poder que. pela Constituição. não é subordinado a nenhum outro. A independência do juiz é absoluta e mesmo na hierarquia judiciária ele não deve obediência a magistrados superiores. O seu julgamento deve seguir exclusivamente o seu entendimento, de acordo com a sua consciência.”

(Evandro Lins e Silva – Direitos Humanos: conquistas e desafios)

A Declaração de Virgínia já antevira os postulados declaratórios, abrigando inclusive o princípio da celeridade processual, como pressuposto de garantia para a efetiva aplicação da justiça, o qual, entretanto, não se encontra expressamente consignado na Constituição Federal, com tal omissão elevando os institutos da burocracia, da procrastinação, da desídia e da incompetência institucionalizados, como princípios reais da aplicação da (in)justiça no Brasil.

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar