Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique
      

A briga entre Brasil e Argentina 
e o risco para o Mercosul

De olho em resultados imediatos, Cavallo põe em risco o Mercosul e ameaça a unidade do bloco econômico que poderia negociar com sucesso os interesses latino-americanos no tabuleiro da geopolítica mundial

João Paulo Charleaux
22, jornalista da equipe da Oboré e correspondente da Agência Pulsar do Equador no Brasil


Desde o dia cinco de julho estão oficialmente suspensas as negociações entre Brasil e Argentina sobre os pontos divergentes de comércio exterior.

A atitude foi tomada pelo Ministério da Fazenda, do Desenvolvimento e das Relações Exteriores do Brasil depois que o ministro da Economia argentina, Domingo Cavallo, referiu-se ao seu principal parceiro econômico na América Latina como um “elefante”, numa palestra a industriais italianos, em Roma.

É bem verdade que o adjetivo foi originalmente usado pelo empresário italiano que dirigiu uma pergunta sobre o Brasil ao ministro Cavallo, o que poucos jornais brasileiros se preocuparam em explicar. É verdade também que, em nome da diplomacia recomendável em momentos de tormenta como este, o experimentado ministro argentino poderia ter se esquivado da provocação.

Além do simbolismo desta picuinha pontual, a atitude que desagradou profundamente o governo Cardoso foi a eliminação dos incentivos aos produtos de informática, automotivos e de telecomunicações provenientes do Brasil, o que desrespeita as regras do comércio bilateral. Com esta medida, Cavallo igualou o Brasil a qualquer outro país do mundo e jogou no lixo pelo menos dez anos de negociação, impondo aos exportadores brasileiros um prejuízo estimado em US$ 1 bilhão por ano.

Depois dos primeiros capítulos da novela ficou evidente que os dois principais países do Mercado Comum do Cone Sul vivem um dos piores momentos de sua recente história de cooperação econômica. Brasil e Argentina chegaram num ponto de desentendimento onde um passo em falso pode pôr em risco todo o esforço de construção do Mercosul.

Parece complicado para quem acompanha o noticiário à distância. Parece pouco relevante para quem se preocupa com o que vai (ou não) comer no dia seguinte.

Para os primeiros, basta uma conta: o Brasil exportou no ano passado US$ 1,7 bilhão só de produtos de informática e telecomunicações. Desse total, US$ 680 foi para a Argentina. Essa mesma conta projetada nos volumes negociados este ano, numa regra de três, chega ao tal “x = 1.000.000.000,00”. Olhando assim, com todos os zeros, vê-se até graficamente que é muito dinheiro.

Para quem acha que o Mercosul é uma cartel latino-americano de meia dúzia de empresários vale lembrar: o mundo de relações comerciais globalizadas é regra. O que se discute é como participar desse cassino: se como jogador ou garçon; dando a chave de casa para as grandes potências, ou obrigando a visita a bater na porta; apertando a mão ou beijando os pés, enfim, em parceria ou por exploração.

O mercado comum que conta com Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai tem sido uma das principais trincheiras econômicas contra a voracidade da economia global dos americanos, tem o potencial de converter-se em um mercado coeso e potente no jogo de barganha global com os EUA e a União Européia, em mas isto pode mudar. Com o enfraquecimento do Mercosul, os Estados Unidos têm convencido países como o Chile e a própria Argentina à priorizarem a formação da Alca (Área de Livre Comércio das Américas), um mercado onde, certamente, os norte americanos teriam maior influência.

O enfraquecimento da economia argentina coloca toda a América Latina sob suspeita para investimentos estrangeiros, inflaciona o coeficiente de risco auferido pelas auditorias internacionais (a Argentina já está em 1.165 pontos, entrando na zona de “default”, com risco de suspensão de pagamentos), eleva juros e faz a cama para milagreiros, saqueadores e sebastianistas de plantão.

Domingo Cavallo está à frente da economia argentina pela segunda vez. Desde que voltou, há três anos, não conseguiu apresentar resultados práticos. Pelo contrário, colocou a Argentina nas mãos do FMI e do Banco Mundial, reforçou a política de dolarização e criou um clima ainda maior de instabilidade, colaborando para a elevação dos juros, do dólar e da dependência dos países do Cone Sul de investimentos especulativos estrangeiros.

Tudo isso acontece em um momento de ventos favoráveis para as relações entre o Mercosul e a União Européia, um mercado tão fechado e tão voraz quanto o americano, mas que, por isso mesmo, pela equivalência de potências, desenhava-se como um parceiro promissor, com apenas um detalhe: os mais recentes e positivos tratados com a União Européia –
parece óbvio, mas pouca gente tem dito – só funcionam com o Mercosul inteiro e não em frangalhos, com a Argentina para um lado e o Brasil para o outro.

Portanto, o fracasso do Mercosul é o fracasso da última grande tentativa de união latino americana para fazer frente aos dois outros grandes blocos exploradores.

Num século que tem sido anunciado como o período de valorização das reservas de água potável e biodiversidade, seria triste ver a o bloco dos países mais promissores ruir com um coice desastrado de Cavallo.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar